CartaExpressa,Política

‘Celebração’ de vacinas vem com atraso fatal e doloroso, dizem senadores da CPI da Covid após pronunciamento de Bolsonaro

‘Celebração’ de vacinas vem com atraso fatal e doloroso, dizem senadores da CPI da Covid após pronunciamento de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Apu Gomes/AFP

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Apu Gomes/AFP

A cúpula da CPI da Covid publicou uma nota oficial na noite desta quarta-feira 2, minutos depois de Jair Bolsonaro fazer um pronunciamento em rede nacional de TV e rádio. O presidente afirmou, entre outras coisas, que ainda neste ano todos os brasileiros “que assim desejarem” serão vacinados.

“A inflexão do Presidente da República celebrando vacinas contra a Covid-19 vem com um atraso fatal e doloroso. O Brasil esperava esse tom em 24 de março de 2020, quando inaugurou-se o negacionismo minimizando a doença, qualificando-a de ‘gripezinha’. Um atraso de 432 dias e a morte de quase 470 mil brasileiros, desumano e indefensável”, diz trecho do texto.

Segundo os senadores, a declaração de Bolsonaro “deveria ser materializada na aceitação das vacinas do Butantan e da Pfizer no meio do ano passado, quando o governo deixou de comprar 130 milhões de doses, suficientes para metade da população brasileira”.

Para os parlamentares, entretanto, “optou-se por desqualificar vacinas, sabotar a ciência, estimular aglomerações, conspirar contra o isolamento e prescrever medicamentos ineficazes para a Covid-19”.

“A reação é consequência do trabalho desta CPI e da pressão da sociedade brasileira que ocupou as ruas contra o obscurantismo. Embora sinalize com recuo no negacionismo, esse reposicionamento vem tarde demais. A CPI volta a lamentar a perda de tantas vidas e dores que poderiam ter sido evitadas”, finaliza a nota.

O texto é assinado pelo presidente da CPI, Omar Aziz ; pelo relator, Renan Calheiros; pelos membros titulares da comissão Tasso Jereissati, Otto Alencar, Humberto Costa e Eduardo Braga; e pelos suplentes Alessandro Vieira e Rogério Carvalho.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem