CartaExpressa

Castro confirma participação em ato de Bolsonaro e deve usar o palanque para se defender

O governador indicou que reagirá à tentativa do Ministério Público Eleitoral de cassar o seu mandato

O governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro. Foto:Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), confirmou participação no ato convocado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para este domingo 21, em Copacabana.

Castro, porém, tende a usar o palanque também com interesses particulares. Nesta sexta-feira 19, ele indicou que reagirá à tentativa do Ministério Público Eleitoral de cassar o seu mandato.

“A gente vai defender que a democracia seja cumprida aqui no Rio de Janeiro, que a decisão de 4.930.288 pessoas seja mantida”, disse o governador, após um evento na Fundação Getúlio Vargas.

Cláudio Castro e seu vice, Thiago Pampolha, são acusados de práticas eleitorais ilícitas envolvendo o financiamento de projetos e programas da Fundação Ceperj e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 2022.

O governador de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL), e deputados de extrema-direita como Nikolas Ferreira (PL-MG) e Gustavo Gayer (PL-GO) também devem marcar presença no ato de domingo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.