CartaExpressa

Caso Marielle: O novo encontro entre Rivaldo Barbosa e a Polícia Federal

O ministro do STF Alexandre de Moraes determinou um novo depoimento do delegado

O delegado Rivaldo Barbosa. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal deve ouvir na próxima segunda-feira 3 o delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro Rivaldo Barbosadenunciado pela Procuradoria-Geral da República sob a suspeita de envolvimento direto nos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

Barbosa pediu para depor à PF e o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes acolheu a solicitação na segunda-feira 27. O ministro mandou a corporação realizar a oitiva em até cinco dias após a notificação e conferiu ao delegado o direito ao silêncio e a garantia de não autoincriminação.

A PGR denunciou Barbosa pelos homicídios qualificados de Marielle e Anderson, por tentativa de homicídio da assessora parlamentar Fernanda Chaves e por organização criminosa.

Segundo a denúncia, ele encorajou a decisão de matar Marielle e prestou auxílio intelectual aos envolvidos, inclusive com orientação sobre onde não deveriam cometer os assassinatos. À época, o acusado era diretor da Divisão de Homicídios da Polícia Civil. Um dia antes dos homicídios, tornou-se chefe da corporação.

Em 17 de maio, Moraes manteve a prisão preventiva de Rivaldo Barbosa, acolhendo uma recomendação do procurador-geral da República, Paulo Gonet, para quem o delegado “não comprovou nenhuma mudança fática ou jurídica apta a alterar o panorama da decisão judicial que deferiu a custódia máxima.” 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.