CartaExpressa

Cármen Lúcia e Moraes falam sobre ‘desinteligência natural’ e ‘burrice’ em julgamento de Zambelli no STF

A 1ª Turma do STF decidiu nesta terça, por unanimidade, tornar Zambelli e o hacker Walter Delgatti Neto réus

Ministra Carmen Lúcia. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Os ministros do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia e Alexandre de Moraes ironizaram nesta terça-feira 21 a “inteligência” da suposta tentativa da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) e do hacker Walter Delgatti de invadir os sistemas do Judiciário.

Carmén Lúcia brincou que não se preocupa mais apenas com a inteligência artificial, mas com a “desinteligência natural”.

“Quando vossa excelência descreve que havia entre as notas, com as providências, a possibilidade de vossa excelência ter inclusive determinado a própria prisão, eu começo a não me preocupar mais só com a inteligência artificial, mas com a desinteligência natural de alguns que atuam criminosamente”, disse.

Na sequência, Moraes completou: “Vossa excelência, sempre muito educada, disse ‘a desinteligência natural’. Mas eu chamaria de burrice, mesmo, natural”, disse.

Veja o trecho

A 1ª Turma do STF decidiu nesta terça, por unanimidade, tornar Zambelli e o hacker Walter Delgatti Neto réus por invasão a sistemas do Poder Judiciário, entre eles o do Conselho Nacional de Justiça.

A invasão ao sistema do CNJ aconteceu em janeiro de 2023. Na ocasião, o hacker inseriu dados falsos, como um mandado de prisão contra o ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Ambos responderão pelos crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica, que, somados, podem chegar a 6 anos de reclusão, além de multa. A defesa de Zambelli afirmou em nota que ela “não praticou qualquer ilicitude”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.