CartaExpressa

Carlos Bolsonaro é alvo de operação da PF que investiga ‘Abin paralela’

A operação, deflagrada na semana passada, também teve como um dos alvos o ex-diretor da Abin e atual deputado federal, Alexandre Ramagem

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal cumpre, na manhã desta segunda-feira 29, novas ações de buscas e apreensões que mira um suposto esquema ilegal de monitoramento via Agência Brasileira de Inteligência (Abin). As informações são do blog da jornalista Andréia Sadi.

As novas diligências têm como foco buscar possíveis destinatários de informações do esquema ilegal.

Um dos locais apontados pela fonte da PF é a Câmara Municipal do Rio de Janeiro e assessores também seriam alvo da operação. Também é alvo da operação o filho do ex-presidente e vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

A operação ‘Vigilância Aproximada’ foi deflagrada na quinta-feira 25 e teve como um dos alvos o ex-diretor da Abin e atual deputado federal, Alexandre Ramagem, que comandou a agência de inteligência durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

A PF anunciou o cumprimento de 21 mandados de busca e apreensão em Brasília/DF (18), Juiz de Fora/MG (1), São João Del Rei/MG (1) e Rio de Janeiro/RJ (1).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar