CartaExpressa

‘Carinho, admiração e agradecimento’, diz Padilha sobre trabalho de Moser

Ministro das Relações Institucionais diz que Moser ‘plantou sementes’ em compromissos com o esporte; entidade de defesa do esporte e da democracia critica demissão

Foto: Foto: Oswaldo Corneti/Fotos Públicas
Apoie Siga-nos no

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, repercutiu, nesta quinta-feira 7, a saída de Ana Moser do Ministério dos Esportes, dizendo que tinha “carinho, admiração e agradecimento pelo trabalho que vinha sendo feito” por Moser. A declaração foi feita pouco antes do desfile de 7 de Setembro em Brasília (DF).

“A ministra, nesse período, já plantou as sementes e iniciou a colher os frutos dos compromissos do presidente Lula com o esporte na campanha eleitoral”, disse Padilha. “Podemos estar tendo mudanças dos jogadores que estão em quadra, mas não muda a estratégia, o plano tático e os objetivos do time”, observou. Padilha frisou que Lula tem “grande consideração” por Moser.

O Ministério dos Esportes, que passa a ser chefiado pelo deputado federal André Fufuca (PP-MA), tem um orçamento de cerca de R$ 900 milhões até o final do ano. Fufuca deverá assumir a titularidade da pasta na próxima semana, após a viagem de Lula à Índia, onde participará da reunião do G20.

A saída de Moser do Ministério dos Esportes – notadamente, para a acomodação de um político do Centrão -, foi motivo de manifestação de entidades ligadas ao esporte. O coletivo “Esporte pela Democracia”, formado por atletas, ex-atletas, jornalistas, artistas e empresários criticou, através de nota, a postura do governo federal.

Ao abrir mão de Moser em nome de governabilidade, atendendo a pressões do que há de mais fisiológico na política brasileira, Lula dá um passo atrás e decepciona profundamente aquelas pessoas que ouviram dele, em alto e bom som, que poderiam acreditar e sonhar com um futuro melhor, no qual o esporte seria um instrumento importante de inclusão e transformação social”, afirmou a entidade.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar