CartaExpressa

Candidato de Bolsonaro, Tarcísio defende empresários e diz que operação foi ‘extrapolação’

“Quem vai dar um golpe? Meia dúzia de empresários? Isso não faz o menor sentido. Cá para nós, é desarrazoado”, minimizou

Foto: Reprodução/YouTube
Apoie Siga-nos no

Candidato ao governo do estado de São Paulo, Tarcisio de Freitas (Republicanos), minimiza a operação da Polícia Federal que investiga empresários bolsonaristas. Para ele, as mensagens caracterizam uma “conversa entre amigos” e o conteúdo delas são “bobagens”, por isso a ação do STF em bloquear suas contas e investigá-los seria desproporcional. 

“Acho que houve uma extrapolação. Não vejo que uma conversa num grupo de WhatsApp entre amigos tenha qualquer condão de promover um golpe de Estado”, afirmou o candidato que, em seguida ironizou a situação. “Quem vai dar um golpe? Meia dúzia de empresários? Isso não faz o menor sentido. Cá para nós, é desarrazoado”.

A declaração foi dada nesta quarta-feira 24 durante sabatina do Estadão/FAAP. Segundo ele, as medidas da PF são perigosas por irem contra quem gera emprego e crescimento.  “Teve busca e apreensão feita contra quem só mandou um ‘joinha’ no grupo. Decretaram buscas, bloqueio de bens, de contas na internet. Isso é perigoso”, opinou.

Mais cedo, no evento, ele também criticou a carta em defesa da democracia. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar