CartaExpressa,Política

Câmara Técnica da Saúde pode apresentar renúncia coletiva se Queiroga não retomar vacinação de adolescentes, diz jornal

Câmara Técnica da Saúde pode apresentar renúncia coletiva se Queiroga não retomar vacinação de adolescentes, diz jornal

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Evaristo Sá/AFP

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Evaristo Sá/AFP

Os membros da Câmara Técnica do Plano Nacional de Imunizações pretendem entregar seus cargos caso o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não se retrate e retome a vacinação de adolescentes. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

 

 

Compõem a câmara representantes do ministério e de outros órgãos governamentais e não governamentais, além de membros de Sociedades Científicas, Conselhos de Classe, do Conselho Nacional de Secretários de Saúde e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde.

Segundo o jornal, o grupo se reuniu nesta sexta e exige que a Saúde informe publicamente que ele não foi consultado sobre a decisão de suspender a imunização de adolescentes sem comorbidades. Também pede que a pasta determine o reinício da vacinação desse grupo.

Nesta tarde, após investigação conduzida por 70 especialistas, a Secretaria da Saúde do estado de São Paulo informou que não é possível apontar a vacina da Pfizer como causa da morte de uma adolescente de 16 anos. A jovem sofria de uma doença autoimune “rara e grave”. O Ministério da Saúde mencionou a morte ao recomendar a interrupção da vacinação de adolescentes sem comorbidades.

Na quinta-feira 16, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária disse que estava investigando o episódio, mas ressaltou que, no momento, “não há uma relação causal definida entre este fato e a administração da vacina”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem