CartaExpressa

Câmara aprova requerimento para que ministro da Educação explique cortes orçamentários

A audiência ocorrerá em 14 de dezembro e contará com a participação da Comissão de Educação

O ministro da Educação, Victor Godoy Veiga. Foto: Luis Fortes/MEC
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara aprovou um requerimento apresentado pelo deputado Elias Vaz (PSB/GO) para que o ministro da Educação, Victor Godoy, explique os cortes de recursos das universidades e dos institutos federais.

A audiência está agendada para a próxima quarta-feira 14 e contará com a participação da Comissão de Educação.

“A situação é muito preocupante nas instituições de todo o País. Universidades informaram que não têm recursos sequer para pagar contas básicas, como água e energia”, afirmou Elias Vaz.

O parlamentar lembrou ainda que os cortes atingem em cheio o pagamento de bolsas universitárias e auxílio para os estudantes mais vulneráveis. A falta de recursos pode afetar até mesmo a situação de 30 hospitais universitários e cerca de 14 mil médicos residentes bolsistas.

“Quando o governo retira recursos das universidades e institutos federais, não prejudica só a comunidade acadêmica, mas toda a sociedade, que se beneficia dos projetos, das pesquisas e do atendimento oferecido pelas instituições”, destacou o parlamentar.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar