CartaExpressa

Brasil não será instrumento de incidente diplomático entre Venezuela e Guiana, diz Múcio

O ministro da Defesa se reuniu em Brasília com o presidente Lula (PT) nesta sexta-feira 8

O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro. Foto: Joédson Alves/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, afirmou nesta sexta-feira 8 que o governo federal monitora a crise entre Venezuela e Guiana em torno do território de Essequibo, a fim de que o Brasil não seja instrumento de um “incidente diplomático”.

A declaração foi concedida pouco antes de Múcio se reunir no Palácio da Alvorada com o presidente Lula (PT). O encontro durou cerca de uma hora.

“Estamos atentos para que nós não sejamos instrumento de um incidente diplomático que envolve dois vizinhos”, disse o ministro a jornalistas.

No último fim de semana, o governo de Nicolás Maduro promoveu um referendo para obter apoio à sua reivindicação sobre Essequibo, uma região rica em petróleo equivalente a 2/3 do território da Guiana.

Após a aprovação do referendo por 95% dos eleitores, segundo dados oficiais, Maduro propôs uma lei para criar uma província venezuelana na área disputada. Ele também ordenou que a petrolífera estatal conceda licenças para extrair petróleo bruto em Essequibo. A disputa ganhou força depois de a americana ExxonMobil descobrir significativas jazidas de petróleo em 2015.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.