CartaExpressa

Brasil condena ataque israelense em Rafah e fala em ‘sistemática violação aos direitos humanos’

Itamaraty afirmou que tomou conhecimento dos ataques ‘com profunda consternação e perplexidade’

Bombardeio deixou ao menos 45 mortos em Rafah. Foto: Eyad Baba/AFP
Apoie Siga-nos no

O Ministério das Relações Exteriores condenou, nesta segunda-feira 27, os ataques de Israel contra campo de refugiados nas imediações da cidade de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza.

Segundo as autoridades em Gaza, o bombardeio deixou ao menos 45 mortos no local que é considerado o último refúgio de civis na guerra instalada no enclave palestino.

Em nota, o Itamaraty afirmou que tomou conhecimento dos ataques “com profunda consternação e perplexidade”. Além disso, a pasta afirmou que o ataque constitui uma “sistemática violação aos Direitos Humanos e ao Direito Humanitário Internacional”.

“Assim como flagrante desrespeito às medidas provisórias reafirmadas, há poucos dias, pela Corte Internacional de Justiça”, disse o comunicado. Na última semana, a CIJ ordenou que Israel interrompesse as operações militares em Rafah.

O governo brasileiro também lamentou a a retomada, pelo Hamas, de lançamentos de foguetes de Gaza contra o território israelense, ocorrida no final de semana.

“Ao expressar sua solidariedade ao povo palestino, sobretudo aos familiares das vítimas de Rafah, o Brasil reafirma a condenação a toda e qualquer ação militar contra alvos civis”, diz o Itamaraty.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar