CartaExpressa

Bolsonaro pode ser preso por crime contra humanidade, diz criminalista

Bolsonaro pode ser preso por crime contra humanidade, diz criminalista

'Há robustez nos elementos de prova', diz o professor de Direito Penal Fernando Hideo Lacerda

Foto: EVARISTO SA / AFP

Foto: EVARISTO SA / AFP

O presidente Jair Bolsonaro pode ser preso caso seja condenado no Tribunal Penal Internacional, após ser denunciado por crime contra a humanidade. A avaliação é de Fernando Hideo Lacerda, advogado e professor de Direito Penal da Escola Paulista de Direito, em entrevista na quarta-feira 23 ao Direto da Redação, programa no canal de CartaCapital no Youtube.

Para ele, embora a compra da vacina indiana Covaxin possa dar uma materialidade aos crimes cometidos pelo presidente, os casos mais graves são os que envolvem o boicote à vacinação no País.

De acordo com o professor, os atos e omissões de Bolsonaro podem ser enquadrados em crimes de responsabilidade, que redundaria no impeachment, em crimes comuns e crimes contra a humanidade.

“O Bolsonaro sabotou o processo de vacinação. A questão mais séria é esse impacto dos crimes contra a vida. Há robustez nos elementos de prova”, afirmou Lacerda.

“Há uma série de crimes que estão sendo desvelados nos últimos desdobramentos da CPI da Covid”, acrescentou o professor.

Na conversa, o advogado ainda comentou o julgamento do Supremo Tribunal Federal que confirmou que o ex-juiz Sergio Moro foi parcial na condenação no ex-presidente Lula.

Assista a entrevista completa:

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem