CartaExpressa

Bolsonaro nega conspiração golpista e alega que celular de Cid servia para ‘lamentações’

Investigadores da PF encontraram no celular do tenente-coronel um ‘guia’ para aplicar um golpe de Estado no final de 2022

Mauro Cid (no canto à esquerda) em ato com Jair Bolsonaro. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

A defesa de Jair Bolsonaro alegou nesta sexta-feira 16 que a divulgação de diálogos do tenente-coronel Mauro Cid atestaria que o ex-presidente “jamais participoiu de qualquer conversa sobre um suposto golpe de Estado”.

Segundo os advogados, Cid – ex-ajudante de ordens de Bolsonaro – recebia todas as demandas que deveriam chegar ao então presidente.

“O celular dele, portanto, por diversas ocasiões se transformou numa simples caixa de correspondência que registrava as mais diversas lamentações”, argumentou a defesa de Bolsonaro, em nota.

Investigadores da Polícia Federal encontraram no celular de Cid um “guia” para aplicar um golpe de Estado no final de 2022. O arquivo era intitulado Forças Armadas como poder moderador. A PF também localizou no aparelho a minuta de um texto sobre a declaração de estado de sítio e uma série de diálogos de teor golpista mantidos com o coronel Jean Lawand Junior, então subchefe do Estado Maior do Exército.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.