CartaExpressa

Bolsonaro: Não quero dar um golpe. Eu já estou no poder

Bolsonaro: Não quero dar um golpe. Eu já estou no poder

Presidente afirmou que as pesquisas eleitorais, que colocam Lula como o favorito para as eleições, também são fraudadas

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a pregar, nesta sexta-feira 9, contra as urnas eletrônicas paras as eleições de 2022.

Em conversa com apoiadores na saída do Palácio do Alvorada, sem apresentar nenhuma prova, Bolsonaro acusou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, de ser o grande articulador para o PT voltar ao poder.

“A fraude está no TSE. Isso foi feito em 2014. Em 2014, foi feita a apuração minuto a minuto, começou com o Aécio lá em cima e a Dilma lá embaixo. Com o tempo, as curvas se cruzaram até se estabilizarem para a Dilma na frente. É fraude, é roubalheira”, disse.

“Por que o Barroso é contra? Um cara desse deveria estar em casa. Alguns falam que eu quero dar o golpe. Quero falar a esse idiota que eu já estou no poder”, acrescentou. “Nós vamos ter eleições limpas, podem ter certeza. Não teremos eleições fraudadas em 2022”, insistiu o presidente.

Bolsonaro afirmou ainda que as pesquisas eleitorais, que colocam Lula como o favorito para as eleições, também são fraudadas.

“Daí vem os institutos de pesquisa fraudados também colocando o nove dedos [em referência ao petista] lá em cima para ser confirmado com voto fraudado no TSE.  Não podemos esperar acontecer as coisas para depois tomar providência. Eu quero transparência. Já está certo quem vai ser o presidente no ano que vem. Nós vamos deixar?”, questionou.

Na conversa, o mandatário voltou a criticar os integrantes da CPI da Covid no Senado Federal.

“Quem vota em Omar Aziz ou é ignorante ou nasceu naquele lugar. O cara desviou 260 milhões [de reais] da saúde”, declarou.

“Se Renan Calheiros pudesse fraudar a votação ele fraudaria pelo caráter que ele tem? A única forma de bandido como o Renan se perpetuar na política é só na fraude”, pontuou logo depois.

O presidente ainda tentou justificar as denúncias de corrupção que envolvem o seu governo na compra de vacinas contra a Covid-19.

“Comigo agora o terceiro escalão teria negociado comprar vacina, mas não foi gasto um centavo. Não foi comprado nada para não ter corrupção. Ninguém engravida por pensamento, a não ser Renan Calheiros que tem filho com amante”.

Veja o vídeo:

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem