‘Bolsonaro não deve se reeleger e o Lula deve ser presidente’, aposta Weintraub

Ex-ministro da Educação alega que o atual presidente irá perder pelo desempenho ruim da economia e por escândalos que ainda virão à tona

Foto: Agência Brasil

Apoie Siga-nos no

Abraham Weintraub (PMB), ex-ministro da Educação de Jair Bolsonaro e pré-candidato ao governo de São Paulo, admitiu nesta quarta-feira 25 que a derrota do antigo chefe para Lula (PT) nas eleições deste ano é o ‘cenário mais provável’ neste momento.

Ex-aliado de primeira ordem do atual presidente, ele disse não confiar mais no ex-capitão e que a derrota será motivada pelo desempenho ruim na economia, além de novos escândalos políticos que ainda virão à tona.

“Eu diria que esse cenário é o mais provável hoje. Infelizmente, o presidente Bolsonaro não deve se reeleger, e o Lula deve ser presidente. Daqui até a eleição as coisas só vão piorar na parte econômica, e na parte política vão aparecer mais escândalos”, avaliou o ex-ministro em entrevista ao jornal O Globo.

Segundo contou, ele não irá fazer campanha para Bolsonaro porque o presidente não é mais digno de confiança. Na entrevista, questionado se Bolsonaro seria um ‘homem honesto’, Weintraub se esquivou.

“Não [vou fazer campanha para Bolsonaro], porque não confio mais, mas sempre vou votar contra o Lula. Não anulo voto”, disse sem deixar claro se irá apoiar o ex-capitão já no primeiro turno.

“Eu não acho que ele tenha pego nada para ele na física (materialmente). Mas isso só não basta. Ser honesto é diferente de ser conivente. Acho que ele está vendo os caras aprontarem, não é possível”, disse Weintraub ao ser questionado sobre a honestidade do antigo chefe.

Na conversa, Weintraub não deixa claro a quais escândalos se refere, nem mesmo quais integrantes do atual governo estariam ‘aprontando’ com a conivência do ex-capitão. A única pista deixada por ele é que os esquemas seriam feitos por integrantes do Centrão.


Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também