CartaExpressa

Bolsonaro diz ter sofrido bloqueio judicial de R$ 317 mil por não usar máscara na pandemia

O Tribunal de Justiça de São Paulo já havia determinado o bloqueio de 87 mil reais em posse do ex-capitão

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quarta-feira 14 ter sofrido mais um bloqueio judicial em sua conta bancária. Desta vez, o montante retido seria de pouco mais de 317 mil reais, segundo declaração concedida à CNN Brasil.

O Tribunal de Justiça de São Paulo já havia determinado o bloqueio de 87 mil reais em posse do ex-capitão devido ao não pagamento de multas aplicadas pelo descumprimento do uso obrigatório de máscara durante a pandemia.

A medida foi assinada na segunda-feira 12 pela juíza Ana Maria Brugin, da Vara das Execuções Fiscais Estaduais, a pedido do governo do estado.

“A vida nossa não é fácil, mas tudo bem, a gente enfrenta esses obstáculos. Bloqueando minhas contas… Por enquanto tenho fundos, daqui a pouco não vou ter mais. Aí vou ver se o Valdemar [Costa Neto, presidente do PL] me paga por fora o salário”, disse Bolsonaro na tarde desta quarta.

O ex-presidente foi multado por ignorar o uso de máscara durante três agendas, em Miracatu, Ribeira e Eldorado, em 2021. Os casos já transitaram em julgado. Só em São Paulo, Bolsonaro deve, ao todo, cerca de 431 mil reais em multas por infrações sanitárias.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.