CartaExpressa

Bolsonaro diz que imprensa o acusa de ligação com o caso do submersível Titan: ‘Há manchetes por aí’

Os cinco tripulantes do dispositivo morreram nesta semana

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Silvio Avila/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) alegou nesta sexta-feira 23 que parte da imprensa tenta associá-lo ao caso do submersível Titan, cujos cinco tripulantes morreram após uma implosão do dispositivo nesta semana.

“Você sabe quem é o responsável por aquele trágico acidente do submarino que desceu centenas de metros para ver o Titanic? Jair Bolsonaro. Já tem manchetes por aí: ‘Ex-ministro de Bolsonaro angariava clientes para mergulhar no Titanic’”, disse o ex-capitão em entrevista à Rádio Bandeirantes. “Eu estou sendo subliminarmente acusado de ser o responsável por aquela tragédia que vitimou cinco pessoas.”

Bolsonaro fez uma referência ao fato de que a agência de turismo do senador Astronauta Marcos Pontes (PL-SP), ex-ministro de seu governo, vendia pacotes para a expedição no submersível da empresa OceanGate com destino aos destroços do Titanic.

Após o desaparecimento do dispositivo, o site da agência de viagens foi retirado do ar. O conteúdo, porém está salvo em um arquivo do Google. Veja toda a página.

Em nota publicada nas redes sociais, a Agência Marcos Pontes Turismo de Aventuras afirmou ter retirado o passeio de submersível de seu site oficial por questões de segurança. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar