CartaExpressa

Aumento do salário mínimo impacta um quarto da população brasileira, aponta Dieese

22,7 milhões de pessoas são afetadas diretamente pelo aumento como empregados com carteira assinada, aposentados e pensionistas

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O aumento do salário mínimo para 1320 reais a partir desta segunda-feira 1 impacta um total de 54 milhões de pessoas de maneira direta ou indireta, segundo estudo do Dieese.

O departamento aferiu que 22,7 milhões de pessoas são afetadas diretamente pelo aumento. Segundo o estudo, estão nesse grupo aqueles diretamente impactados pelo salário mínimo, “como os empregados do setor privado e público com carteira assinada (inclusive os trabalhadores domésticos); os servidores públicos estatutários; e as pessoas que recebem aposentadoria, pensão ou BPC, com valor igual ou inferior ao salário mínimo”.

Outras 31,3 milhões de pessoas são afetadas de forma indireta. Segundo o Dieese são grupos constituídos por indivíduos que residem em domicílios onde existe, pelo menos, uma pessoa diretamente impactada.

O estudo destaca que o reajuste “tem impacto na vida de milhões de trabalhadores, inclusive informais, além dos aposentados e pensionistas do INSS e daqueles que recebem benefícios assistenciais da Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), como o Benefício de Prestação Continuada (BPC)”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.