CartaExpressa

Após prisão de Silvinei, Lula evoca Bolsonaro e fala em tentativa de ‘corromper’ a PRF

O ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária foi preso em uma operação que apura interferência no segundo turno das eleições de 2022

Créditos: Mauro PIMENTEL / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) criticou, nesta quinta-feira 10, a atuação do governo Jair Bolsonaro (PL) junto às instituições, na época eleitoral, para tentar conquistar votos, e citou uma tentativa de ‘corromper’ a Polícia Rodoviária Federal.

A declaração foi feita um dia após a prisão do ex-diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques, em uma operação da Polícia Federal que apura interferência no segundo turno das eleições de 2022.

“O povo brasileiro resolveu dizer não aos quase 300 bilhões de reais que foram utilizados no ano da campanha. Foi jogado dinheiro no ralo, pra ver se comprava voto. Foi utilizado e tentaram corromper a Polícia Rodoviária Federal para não deixar pobre votar”, disse o petista, no Rio de Janeiro, em ato onde anunciou investimentos em mobilidade urbana para a capital fluminense.

Segundo a PF descreveu em comunicado a suspeita é a de que é de que Vasques tenha “direcionado recursos humanos e materiais com o intuito de dificultar o trânsito de eleitores” no dia 30 de outubro do ano passado, data do segundo turno do pleito.

A investigação também evidenciou que a operação da PRF, que barrou a circulação de eleitores dos estados do Nordeste, reduto eleitoral do PT, foi planejada pela gestão de Vasques no início daquele mês.

Ainda de acordo com a PF, os fatos investigados constituem, em tese, os crimes de prevaricação e violência política. Vasques e os demais envolvidos também devem responder pelos crimes de impedir ou embaraçar o exercício do sufrágio, entre outros do Código Eleitoral.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.