CartaExpressa,Política

Além de Carlos Bolsonaro, CPI pode quebrar os sigilos de Wizard e Pazuello

Além de Carlos Bolsonaro, CPI pode quebrar os sigilos de Wizard e Pazuello

Carlos Wizard e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Carlos Wizard e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nesta segunda-feira 17, dia em que protocolou um requerimento para que a CPI da Covid quebre os sigilos do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), titular da comissão, apresentou pedidos semelhantes contra o empresário Carlos Wizard – o ‘Mr. Cloroquina’ – e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Ao solicitar a quebra dos sigilos telefônico, fiscal, bancário e telemático de Wizard, Vieira argumenta que o bilionário pode ser um dos “financiadores” de um “ministério paralelo da saúde”, o qual “defendia a utilização de medicação sem eficácia comprovada e apoiava teorias como a da imunidade de rebanho”.

Um requerimento de convocação de Wizard já foi protocolado pelo mesmo senador.

Vieira também pede que a CPI aprove a quebra dos sigilos de Pazuello. O parlamentar sustenta que o general “esteve diretamente envolvido tanto com as políticas públicas adotadas pelo Estado brasileiro quanto ao enfrentamento da Pandemia de Covid-19 como também, naturalmente, com as omissões em face dos fatos determinados que são objeto de exame desta CPI”.

O senador do Cidadania ainda cita que, além de se envolver na aquisição de vacinas e “nas indefensáveis escusas para a sua não aquisição”, Pazuello “era dirigente do Ministério da Saúde quando esse órgão, diante da conhecida crise sanitária que enfrentava o estado do Amazonas e, mais agudamente, a cidade de Manaus, potencialmente não envidou os esforços necessários para conter o colapso da saúde com respeito ao suprimento de oxigênio”.

Todos os requerimentos têm de ser aprovados pela maioria dos 11 integrantes da CPI.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem