CartaExpressa

Alckmin: ‘Vou suar a camisa e trabalhar com todo o empenho para Lula voltar à Presidência’

‘Chegou o tempo da esperança, chegou o tempo de Lula presidente’, afirmou o ex-governador paulista em Porto Alegre (RS)

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O candidato a vice-presidente na chapa de Lula (PT), o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB), afirmou nesta quarta-feira 1º que “suará a camisa” e trabalhará “com todo o empenho” para o petista retornar ao Palácio do Planalto.

Alckmin e Lula participaram de um ato pela soberania nacional em Porto Alegre (RS). Marcaram presença, entre outros, a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, e a ex-presidenta da República Dilma Rousseff.

“Para salvar a democracia, o Brasil precisa da volta do presidente Lula. Para combater o desemprego, a carestia e a fome, o Brasil precisa da volta do presidente Lula. Para salvar a saúde, o Brasil precisa de Lula. Para salvar o meio ambiente, o Brasil precisa de Lula”, discursou Alckmin. “Nada segura a ideia a que chegou o seu tempo. Chegou o tempo da esperança, chegou o tempo de Lula presidente.”

Em seu pronunciamento, Lula responsabilizou o governo de Jair Bolsonaro (PL) pela inflação fora de controle, voltou a se manifestar contra a privatização da Petrobras e da Eletrobras e defendeu a necessidade de “um Estado forte”.

“Eu não tenho medo de dizer: eu não quero um Estado fraco, eu não quero um Estado pequeno, eu não quero um Estado insuficiente”, afirmou ex-presidente. “Quero um Estado forte, que seja responsável pela educação, pela saúde, pela geração de emprego, por aumentar o salário mínimo, por dar cidadania aos brasileiros. É esse o Estado que nós vamos fazer.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.