CartaExpressa

‘Abin paralela’: Deputados vão ao Conselho de Ética pela cassação de Ramagem

O deputado bolsonarista, ex-diretor da agência, foi alvo de uma operação da Polícia Federal

Ramagem (dir.) é um aliado e amigo de Bolsonaro Foto: MARCOS CORREA/PR
Apoie Siga-nos no

Deputados e lideranças do PSOL e da Rede acionaram o Conselho de Ética da Câmara com um pedido de cassação de Alexandre Ramagem (PL-RJ), dias após o bolsonarista ser alvo de uma operação da Polícia Federal sobre um suposto esquema de monitoramento ilegal por meio da Agência Brasileira de Inteligência.

Ramagem comandou a Abin entre 2019 e 2022, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL).

O argumento da representação contra o deputado é que ele teria violado os princípios de legalidade, moralidade e impessoalidade na agência. Embora a suposta conduta tenha ocorrido antes de Ramagem ser eleito deputado, diz o documento, a cassação se justificaria porque os atos atingem “a honra e a imagem da Câmara”.

“É inaceitável, no Estado Democrático de Direito, a instrumentalização de órgão público para perseguição política. Infelizmente, isso se tornou modus operandi no então governo Bolsonaro, tendo o Representado sido parte fundamental nessa engrenagem”, dizem os parlamentares.

O presidente do Conselho de Ética é o deputado Lomanto Júnior (União-BA). Ainda não há uma data prevista para o colegiado analisar a representação contra Ramagem.

Assinam o pedido de cassação, entre outros, o líder do PSOL na Câmara, Guilherme Boulos (SP); a porta-voz da Rede, Heloisa Helena; a deputada Luiza Erundina (PSOL-SP); e o deputado Túlio Gadêlha (Rede-PE)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.