ABIN alertou Bolsonaro sobre inconsistências na fortuna de Hang, diz site

Investigação diz que empresário bolsonarista aparece como um personagem que, a partir de 1997, passou a ter negócios com lisura questionável

Empresário Luciano Hang. Foto: Reprodução/SBT

A Agência Brasileira de Inteligência produziu um relatório em que aponta inconsistências na fortuna do empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan. A informação é do UOL.

O documento, feito em julho de 2020, teria servido para alertar o presidente Jair Bolsonaro sobre os riscos que a proximidade com o empresário poderia causar à sua gestão.

De acordo com o site, os papéis foram enviados pela agência à Casa Civil, ao alto comando do Exército, à Polícia Federal e já chegou às mãos de um senador da CPI da Covid.

Na investigação da Abin, Hang aparece como um personagem que, a partir de 1997, passou a ter negócios com lisura questionável.

“Sempre expandindo os negócios, sem sócios, sem investidores, sem endividamento e muitas vezes parecendo possuir uma fonte oculta de recursos, que não se explicaria apenas por sonegação fiscal e contrabando de artigos importados para lojas”, afirma o documento.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!