CartaExpressa

A pergunta sobre vítimas de ataques israelenses em Gaza que ‘ofendeu’ porta-voz de Biden

Segundo John Kirby, ‘não há mudanças’ no apoio do governo de Joe Biden a Israel, mesmo após ataque na cidade de Rafah

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, em coletiva de imprensa em 28 de maio de 2024. Foto: Mandel Ngan/AFP
Apoie Siga-nos no

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Kirby, se disse “ofendido” nesta terça-feira 28 com a pergunta de um repórter durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca, em Washington.

Na ocasião, Kirby afirmou que “não há mudanças” no apoio do governo de Joe BidenIsrael, mesmo após o ataque na cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que provocou um incêndio e deixou 45 mortos em um acampamento de deslocados.

“Quantos outros cadáveres carbonizados ele terá de ver antes que o presidente considere uma mudança na política?”, questionou um repórter ao porta-voz. “Não queremos ver a perda de qualquer outra vida inocente. E eu fico ofendido com a pergunta. Não há um número certo para vítimas civis”, respondeu Kirby.

Cerca de um milhão de pessoas fugiram de Rafah nas três semanas desde o início da operação terrestre do Exército israelense, de acordo com a UNRWA, a agência da ONU para os refugiados palestinos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar