CartaExpressa

A nova cobrança de Lula a Campos Neto ao anunciar medidas para o RS

Desde o início de seu terceiro mandato, o petista critica a condução da política monetária pelo Banco Central

O presidente Lula (PT). Foto: Joédson Alves/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) mencionou nesta quarta-feira 29 a calamidade pública no Rio Grande do Sul para reforçar a cobrança por uma nova queda na taxa básica de juros, a Selic.

Desde o início de seu terceiro mandato, Lula critica a condução da política monetária sob a gestão do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

“Eu espero que o presidente do Banco Central veja a nossa disposição de reduzir a taxa de juros [do BNDES] e ele, quem sabe, colabore conosco reduzindo a taxa Selic para a gente poder emprestar a taxa de juro mais barata”, disse o petista.

A declaração foi proferida durante o anúncio de um novo pacote de medidas do governo para enfrentar as consequências das enchentes em território gaúcho.

O Brasil é o país com a segunda maior taxa real de juros, conforme um ranking da consultoria MoneYou. Em 8 de maio, a Selic chegou a 10,50% ao ano, após o Comitê de Política Monetária do BC aprovar um corte de 0,25 ponto percentual.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.