CartaCapital

‘Hoje, o apoio a Trump nos EUA é maior que o de Bolsonaro no Brasil’

O filósofo americano Jason Stanley, autor de ‘Como Funciona o Fascismo’, comenta as manifestações pró-Bolsonaro no Brasil

de Buenos Aires

“Na retórica de nacionalistas extremos existe um passado glorioso que foi perdido pela humilhação provocada pelo globalismo, pelo cosmopolitismo liberal e pelo respeito por ‘valores universais’, como a ‘igualdade’, escreve Jason Stanley em seu livro, Como Funciona o Fascismo – A Política do “Nós” e “Eles” (L&PM).

Filósofo, professor e pesquisador na Universidade de Yale, o americano enumera outros 10 recorrências no discurso fascista das quais bebem alguns políticos de extrema-direita da atualidade. Além do retorno a um passado mítico, estariam o anti-intelectualismo, o vitimismo e a imposição de valores patriarcais, além do que ele chama de ansiedade sexual.

A tomada do poder por governo com as características apresentadas em seu livro o aproximou do Brasil. Avido observador dos protestos pró-Bolsonaro do 7 de Setembro, Jason Stanley falou a CartaCapital sobre o momento que o País está vivendo e que semelhanças ele encontra com a tomada do Capitólio nos Estados Unidos, em janeiro. “Foi uma tentativa de reproduzir o 6 de janeiro, é óbvio. Se pode ver ali todos os símbolos fascistas.”

Confira a seguir.

CartaCapital: O que se viu no Brasil poderia ser comparado à invasão do Capitólio por apoiadores de Trump?

Jason Stanley: Ele [Bolsonaro] tentou tornar esse protesto parecido com o 6 de janeiro, mas não funcionou. Eles não conseguiram invadir a Praça dos Três Poderes.

De qualquer modo, estavam presentes as mesmas figuras envolvidas no 6 de janeiro americano. Bolsonaro contou com apoio dos Estados Unidos, até mesmo com o Donald Trump Jr. tentando ir para o Brasil no 7 de Setembro. Mas, não funcionou! Aliás, o apoio que Trump tem hoje nos Estados Unidos é maior do que o de Bolsonaro no Brasil.

Os atos foram muito preocupantes, mas não resultaram em nada. Eu me preocuparia mais se a polícia estivesse de forma mais expressiva nas mãos do Bolsonaro

CC: Como assim?

JS: Falando em termos de pesquisa mesmo. Além disso, o Brasil tem uma Corte Suprema [o STF] que defende as leis. Já a Corte Suprema dos Estados Unidos foi indicada pelo Trump. Três dos nove magistrados que compõem a Corte Suprema foram indicados por Trump. Então, temos uma das justiças mais conservadoras dos últimos tempos.

Interessantemente, o que me preocupava com relação ao Brasil era saber de que lado estaria a polícia. E me pareceu que eles não deixaram os manifestantes entrarem no prédio do STF. E esse é um bom sinal.

CC: E qual seria o mau sinal?

JS: O problema é quando falham as instituições de justiça ou as instituições legais. No caso dos Estados Unidos muitas delas, especialmente a Corte Suprema, foram virtualmente tomada por apoiadores de Trump. No Brasil, acho, isso não está acontecendo.

CC: Com relação aos 7 pontos que você aborda no livro Como funciona o fascismo, o que notou nas cenas das ruas do Brasil?

JS: Eu vi toda a velha extrema-direita, a volta ao passado, o retorno ao passado mítico a esses símbolos. Vimos enormes símbolos fálicos presentes nas manifestações [Stanley se refere ao enorme falo com as cores da bandeira que foi visto  nas manifestações da Avenida Paulista].  Foi uma tentativa de reproduzir o 6 de janeiro, é óbvio. Se pode ver ali todos os símbolos fascistas.

O movimento bolsonarista sempre usou paradigmaticamente os símbolos fascistas, políticas fascistas e práticas fascistas. Mas, Bolsonaro não tem sequer um partido político. E isso é crucial em termos de fraqueza comparado que ocorre nos Estados Unidos, por exemplo, onde Trump ainda recebe um grande apoio do partido Republicano.

O ato foi mais uma utilização do aspecto patriótico pelo Bolsonaro. A política é assim. Na imagética fascista, um verdadeiro homem nunca desiste, mesmo quando tudo vem abaixo. E as manifestações do 7 de Setembro refletem nada mais do que isso.

CC: O Brasil está em uma melhor posição, então?

JS: Eu não sei, eu costumo ser otimista, eu sei que o Brasil está em um péssimo lugar nesse momento. Me preocupo com o caos social. Mas Bolsonaro não tem um partido político,  não tem o controle da Justiça, e, a meu ver, não controla os militares. Isso mostra, que, de algum modo, as instituições no Brasil estão mantidas, o que nos Estados Unidos não está ocorrendo.

Os atos foram muito preocupantes, mas não resultaram em nada. Eu me preocuparia mais se a polícia estivesse de forma mais expressiva nas mãos do Bolsonaro, ou alimentando o caos social. No entanto, as instituições são robustas no Brasil.

CC: Se poderia supor que a estratégia de Bolsonaro é promover o caos para logo tomar o poder de forma autoritária?

JS: Claramente é um caos o que ocorre no Brasil. E eu me pergunto se isso é intencional ou é apenas o resultado de um líder fascista incompetente no comando, com o Brasil tem. Não sei se isso é intencional, eu não sei se o Bolsonaro poderia ser apontado como uma pessoa capaz de organizar um país, ele é obviamente um inútil. Eu acho que é apenas isso, ele é um inútil. Apenas um idiota, um agente do caos.

CC: No entanto, parte da população segue apostando nele…

JS: Eu acho que mesmo os evangélicos, mesmo membros da ala não-progressista da Justiça, já o veem como agente do caos. Minha leitura – de longe, uma vez que eu não vivo o dia a dia do Brasil – é que o país está enfrentando um caos social e o Bolsonaro é o causador desse caos.

Talvez pudéssemos comparar com o que acontece na Venezuela, no pior dos cenários. Mas, tudo depende de para que lado a polícia vá, de como o país ficará dividido, e o Bolsonaro sabe e joga com isso. Eu sou um pouco cético nesse ponto. Tirando os manifestantes, ele está perdendo apoio massivo.

CC: E você vê uma possibilidade de reação por parte da população insatisfeita que pudesse levar a retirá-lo do poder?

JS: Primeiramente, é preciso união. O problema com o patriarcado, por exemplo, é, como dizia Simone de Beauvoir, que as mulheres estão dormindo com o inimigo. Trump e Bolsonaro tem um muito apoio das mulheres, o que você precisa é de união em prol de diferentes frontes. É preciso frear a batalha cultural do Bolsonaro contra a comunidade LGBTI+, o sentimento anti-indigenista, e o financiamento da destruição da Amazônia. Nesse último caso, sendo o Brasil o país com a maior porção dessa floresta, esse é realmente um momento de emergência a nível mundial.

É preciso que haja cooperação entre pessoas que talvez estão em desacordo em outros pontos. O Brasil está enfrentando um caos social, e quem deseja que o Brasil evite isso precisa lutar contra o agente do caos social, que é Bolsonaro.

CC: A mensagem final, então, segundo a perspectiva científica de um filósofo de Yale é de que podemos ter um pouco de esperança?

JS: Brasil tem algumas vantagens. Como disse, Bolsonaro ele não tem um partido político, a Corte Suprema não se guia por ele, então, nem tudo está perdido. Mas, o país é condescendente ao caos e Bolsonaro quer isso, mas por quê? Porque ele é um niilista, o modo como o fascista pensa é “prefiro eu ou a total destruição do país?”, e o Bolsonaro prefere que o Brasil se transforme numa Venezuela do que ele não esteja no controle. Líderes autocráticos sempre são mais perigosos quando estão perto da queda.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!