CartaCapital

assine e leia

Cartas Capitais

Cinzas do golpe Recentemente, andei lendo algumas obras sobre a movimentação dos militares em 1964. As informações trazidas pela atual investigação sobre a tentativa de golpe demonstram que os métodos utilizados são praticamente iguais aos de então: desinformação, coronéis insuflando a caserna, reuniões secretas etc. […]

Apoie Siga-nos no

Cinzas do golpe
Recentemente, andei lendo algumas obras sobre a movimentação dos militares em 1964. As informações trazidas pela atual investigação sobre a tentativa de golpe demonstram que os métodos utilizados são praticamente iguais aos de então: desinformação, coronéis insuflando a caserna, reuniões secretas etc. A única diferença é o uso do WhatsApp para articular o grupo, e que agora serve de prova contra os golpistas. Ao menos desta vez, as redes sociais parecem dar alguma contribuição ao Estado Democrático de Direito.
César Augusto Hulsendeger

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

10s