Bolsonaro é listado como “fracasso” em relatório da ONU

O documento sobre mudanças climáticas também faz duras críticas a Donald Trump

Em tweet

Em tweet

Mundo,Política

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas divulgou, nesta terça-feira 25, um documento sobre o impacto das mudanças climáticas na faixa mais pobre da população mundial. Nele, o relator especial Philip Alston fez duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro, o qual ele chamou  de  “fracasso”.

“No Brasil, o presidente Bolsonaro prometeu abrir a Floresta Amazônica para a mineração, acabar com a demarcação de terras indígenas e enfraquecer as agências e proteção ambientais”, citou o americano.

Em 2018, o Brasil anunciou ter desistido de ser sede da Conferência do Clima da ONU neste ano. Bolsonaro sempre foi crítico de discussões sobre o aquecimento global, mas a justificativa oficial foi a falta de verba para receber o evento.

Alston também fez críticas a Donald Trump e também o classificou como “fracasso”. Os Estados Unidos sofreram, desde a década de 1980, 241 desastres climáticos, o que custou mais de 1 bilhão de dólares.

“Nos Estados Unidos, até recentemente o líder global em emissões, o presidente Trump colocou antigos lobistas em cargos de supervisão, adotou argumentos da indústria, liderou um movimento de reação contra as regulamentações ambientais e está ativamente silenciando e ofuscando a ciência climática”, disse.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem