Rincon Sapiência: Senegal guarda memórias do período da escravização

Rapper diz que visitar a Ilha de Gorée leva a identificar e se conectar com a história

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

Blogs,Guia Negro

Visitar a pequena Ilha de Gorée, no Senegal, pode significar uma viagem no tempo e rememorar feridas ainda abertas na humanidade do tempo da escravização, em que homens e mulheres eram trazidos forçadamente da África para se tornarem mercadorias nas Américas. Foi essa a sensação que o rapper Rincon Sapiência teve ao visitar o lugar. “É algo histórico e chocante. Você identifica mesmo que vagamente o que foi esse processo e é algo que te faz chorar. Eu, particularmente, chorei muito”, conta.

A ilha localizada numa das pontas do continente africano era estratégica para a rota dos escravizados que partiam dali. “Tinha um lugar aberto, onde ficavam os escravos, as crianças, então é impossível você não imaginar a situação entrando nesses cômodos. É dramático, mas acho que vale a pena para entender como foi a história”, considera. É possível chegar na ilha a partir de Dacar, a capital do Senegal, e visitar a Maison des Eclaves, a casa dos escravos, que rememora o período colonial.

A Ilha de Gorée, no Senegal (Foto: Hassane Adam/Wikimedia Commons)

No Brasil, Rincon Sapiência lembra que a Bahia e suas reminiscências de cultura negra é de visita obrigatória. “A culinária e o jeito que as pessoas são e falam, dançam. Eles têm uma liberdade com o corpo, o homem rebola mais e não tem grilo com essas questões. A Bahia é um lugar que eu me sinto muito confortável e me dá uma conexão legal”, resume.

Por conta dos shows em diferentes lugares, o rapper viaja com frequência e diz que na mala não faltam desodorante e muitas roupas, mesmo que faça um bate-volta. “Eu nunca me sinto confortável de levar só uma camiseta para o show. Gosto muito de moda e sou vaidoso. A questão das roupas é bem importante para mim”, diz. Já a playlist de Rincon para as viagens conta atualmente com várias músicas do cantor nigeriano Burna Boy.

Depois de dois anos trabalhando no disco Galanga Livre, o rapper prepara um novo CD em que deve trazer um som mais dançante com influências da música pop africana da atualidade. O cantor também participou de um bate-papo no Guia Negro Entrevista em que conta da sua trajetória. Confira:

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Jornalista e amante de viagens. Autor do site www.guianegro.com.br.

Compartilhar postagem