Capital do verão, Salvador vira centro da resistência política

A cidade baiana vive um novo ciclo como referência para a classe artística. E não apenas para a indústria da alegria e do prazer

Capital do verão, Salvador vira centro da resistência política

Blogs,Guia Negro

Caetano Veloso estacionou o carro no Rio Vermelho. A cena prosaica, que rendeu manchete quando ele fez o mesmo no Leblon, mudou de endereço junto com o cantor e compositor baiano nesse verão. As festas com músicos e novos artistas na casa de Caetano em Salvador foram concorridíssimas nos primeiros meses do ano. Por lá, passaram novos talentos como Hiran e Majur, que ganharam a produção de Paula Lavigne e devem se destacar este ano, fazendo com que a Bahia ganhe seus próprios representantes LGBTs na nova cena musical brasileira – um deles do rap, algo improvável até pouco tempo.

As cantoras Xênia França, Larissa Luz e Luedji Luna, baianas que vivem fora de Salvador, retornaram durante as férias de verão e formaram o poderoso trio Aya Bass, que resgata músicas de artistas negras. Uma resposta ao racismo estrutural da axé music, que sempre deu destaque às cantoras brancas. Mas nem só os baianos passaram pela Bahia nesse período: Maria Gadu e Silva também estiveram por lá em longa temporada, fizeram novas parcerias, músicas e shows. Gadu chegou a declarar que ia se mudar.

Por que essa movimentação na cidade é mais relevante do que as notas diárias sobre onde vão e o que comem as celebridades? Por muitos motivos. Em resumo, é uma indicação de que a capital baiana vive um novo ciclo em que é referência para a classe artística do país. Não apenas em termos de uma “indústria da alegria e do prazer”, do turismo folclórico e predatório, mas da cultura enquanto movimento de pensamento e expressão. E, como se sabe, os movimentos culturais têm relação direta com o contexto político.

Política e turismo

Além disso, o turismo nessa época do ano é natural em uma cidade solar, rodeada de praias, e conhecida por suas festas no verão. Mas o movimento nesse 2019 foi além das festas de largo, consolidou-se como uma espécie de centro de resistência, onde cada um podia se manifestar como quisesse. E principalmente: onde não haviam bolsominions por toda parte. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) não venceu em nenhuma zona eleitoral de Salvador e as manifestações de seus correligionários são menos comuns do que nas capitais do Sudeste.

Além disso, o Carnaval foi recheado de fantasiados de laranja, em alusão à denúncia que diz que o PSL lançou candidatos apenas para engordar seu fundo partidário, além de gritos frequentes de “ei, Bolsonaro, vai tomar…”. Afinal, em uma cidade marcada pela cultura negra e de resistência, artistas e turistas vão em busca de um revigoramento pessoal, cultural, mas também político.

A cidade, que já havia recebido em 2018 o Fórum Social Mundial, foi palco do encontro da União Nacional dos Estudantes (UNE) em janeiro, que levou políticos de esquerda e estudantes de todo país para discutir a conjuntura política a partir de Salvador.

Leia também: Uma visita a Maracangalha, o distrito baiano que Caymmi nunca conheceu

Vários fatores fizeram com que este verão bombasse mais do que os anteriores. A praia do Farol da Barra teve seus dias de “insuportável”, já que a faixa de areia ficou pequena para tanta gente. Lugares como a praia do Solar do Unhão, dentro de uma comunidade de mesmo nome, e do MAM (Museu de Arte Moderna) passaram a ser mais explorados. A cantora Anitta foi uma das que descobriu o local e gravou o clipe de “Bola, Rebola” – uma das músicas mais tocadas durante o Carnaval do Rio.

Gentrificação

Festas de largo como Iemanjá e Bonfim atraem milhares de turistas todos os anos. E neste 2019, o número de visitantes praticamente dobrou. Embora as festas tenham um mote religioso, elas também são celebradas como uma espécie de carnaval e são bastante marcadas pela política, com protestos e manifestações diversas, fugindo dos estigmas e polarizações de “sagrado” versus “profano”, “corpo” versus “mente”.  Na contramão de um pensamento ocidental e eurocêntrico, é tudo junto ao mesmo tempo, o que torna esses festejos únicos, atraindo cada vez mais os olhares de quem mora em outros lugares.

Além das praias e festas lotadas, os preços também subiram durante a estação mais quente e cheia do ano. O cravinho, bebida mais famosa do Pelourinho, que era vendido por R$ 14 (a garrafa de 500 ml) subiu para R$ 16. Os sorvetes na Ribeira acompanharam a alta e subiram mais de 20% em pleno verão, entre outros produtos. É a famosa gentrificação que chega junto com novos visitantes e atrativos.

Uma amiga baiana se preocupava com essa “descoberta” da Bahia pelo povo do Sudeste. “Com que olhar eles vão enxergar tudo que acontece aqui? A Bahia preserva costumes e jeitos muito próprios. Isso será visto como exótico? E o que vamos fazer e o que vai acontecer com esses costumes a partir desse olhar?”, questiona.

Não é para iniciantes

Mas quem mais sofreu com a complexidade da Bahia foi mesmo o publicitário Nizan Guanaes e a agora ex-editora da Vogue, Donata Meirelles. Bilionário e baiano, Nizan anunciou a volta para a terra natal. A esposa comemorou seus 50 anos, convidando a alta sociedade soteropolitana e amigos de outras partes do país.

Leia também: Salvador é a meca negra: todo negro precisa ir pelo menos uma vez

O que eles não esperavam é que as fotos de Donata sentada em uma cadeira usada habitualmente em terreiros de candomblé, rodeada de mulheres negras vestidas de baiana repercutissem tão mal. A festa foi tida como “Brasil Colonial”. Apesar de não ter esse tema, as imagens já tinham sido lidas como apropriação cultural ou uma ode à escravidão e causado um estrago irreparável. Nizan, que já tinha anunciado que levaria Obama para Salvador, voltou atrás e também desistiu de morar na cidade. Afinal, sua festa virou tema de discussão política e social – algo bem comum na Bahia.

Tem dendê

Agora o ano começa e para quem, como eu, cogitou permanecer em terras baianas mesmo após o fim do verão, os moradores avisam: trabalho não é tão fácil, o ritmo de festas diminui drasticamente e no dia a dia Salvador sofre com problemas bem reais e comuns nas demais grandes capitais: trânsito e violência. Mas o acolhimento e hospitalidade baiana e a oposição ao presidente continuam presentes. Importante saber que esse lugar, que foi centro de resistências no século XIX, em revoltas como as dos Malês e a Sabinada, continua emanando suas próprias forças para atravessar esse momento político difícil do país.

E para quem acha que Salvador é só moda de um verão, o publicitário Paulo Rogério Nunes, fundador da Vale do Dendê, uma aceleradora de empreendimentos de economia criativa, afirma que 2020 será o ano da cidade. É quando várias obras prometidas tanto pelo prefeito Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), que estará em seu último ano de mandato, quanto pelo governador Rui Costa (PT) vão sair do papel.

É o caso do Centro de Convenções, do Parque de Esportes Radicais, da ampliação do aeroporto, do Museu da Música, do novo corredor ligando a Orla ao Subúrbio Ferroviário, entre outros. Os investimentos vêm da concorrência entre prefeito e governador que tentam deixar um legado maior do que o outro para se garantirem nas próximas eleições. Mesmo tendo pouco perfil da esquerda, Rui se destaca entre os governadores do PT. Enquanto Netinho, como é chamado o prefeito, sonha em ser o próximo governador do Estado. Tantos movimentos atraem os olhares internacionais, como o festival Afropunk, que sonda em fazer na Bahia seu evento de música negra no Brasil a partir de 2020.

Paulo Rogério é enfático ao definir o diferencial de Salvador que tem atraído tanta gente: “cultura negra, cultura negra, cultura negra”.  A contribuição e a fortaleza desse poder são inegáveis na cidade. Agora é fortalecer e aumentar esses novos movimentos que emanam de lá e participar dessa construção para que em 2020 eles sejam ainda mais potentes.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Jornalista e amante de viagens. Autor do site www.guianegro.com.br.

Post Tags
Compartilhar postagem