Jesus expulsou CNPJs do templo para salvar CPFs

'Tendo Jesus entrado no pátio do templo, expulsou todos os que ali estavam comprando e vendendo (…)'

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sa/AFP

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sa/AFP

Blogs,Diálogos da Fé

Um governo que romantiza a ditadura, cospe em enfermeiros, atira em manifestantes nas janelas, espanca jornalistas e faz carreata da morte em frente a hospitais não dá mais pra ser adjetivado. Aliás, se existe, na língua portuguesa, alguma palavra ou expressão que possa adjetivar esse governo, desconheço.

Bolsonaro, Regina e Moro carregam o estigma da morte e como Pilatos, lavam suas mãos em sangue. Além de não ter feito nada para os mais pobres, desempregados e excluídos desde que assumiu o governo, Bolsonaro também tem demonstrado absoluta falta de empatia com as mais de 11 mil mortes pela covid-19, fora a inabilidade na condução da pandemia. Não podemos naturalizar o horror, banalizar o mal e perdermos a capacidade de nos indignarmos diante de tudo que esse governo representa.

E foi com essa indignação que, na semana passada (eles não nos dão paz…), assisti a entrevista da secretária da Cultura cantando música que homenageia a ditadura e relativizando a morte de colegas artistas. Além desse acinte à dignidade humana, o que, na nossa Constituição, é previsto como crime a apologia à ditadura militar – previsto na Lei de Segurança Nacional (Lei 7.170/83), na Lei dos Crimes de Responsabilidade (Lei 1.079/50) e no próprio Código Penal (artigo 287) -, ainda tivemos a marcha da elite em direção ao STF.

Por si só, a marcha já representa um horror, pois teve a intenção de constranger a nossa suprema corte. No entanto, para piorar, um dos empresários (que representa uma importante fundação de defesa dos direitos de crianças e adolescentes e que já foi condenado duas vezes pelo Cade por formação de cartel) disse lamentar a “morte de CNPJs” em detrimento das mortes de CPFs.

Esses “cidadãos de bem” nunca decepcionam, como diz Chico Cesar: “Deus me defenda de mim e da maldade de gente boa, da bondade da pessoa ruim”.

Com tudo isso que tem acontecido, Jesus e seus ensinamentos ficam, cada vez mais, evidentes. Jesus é legal pra caramba, o que estraga, às vezes, é seu fã-clube.

De súbito, lembrei-me da passagem em que, ao chegar ao templo, Jesus da gente, depois de sua entrada triunfal em Jerusalém (queria ter vivido essa cena; se vivi, infelizmente não me lembro), expulsou os comerciantes, denunciando a opressão e a exploração dos mais pobres pelas autoridades religiosas. Não satisfeito, previu a ruína daquele lugar, mostrando que aquela instituição religiosa já estava falida.

Para os judeus, o templo era o lugar privilegiado de encontro com Deus. Ali, colocavam-se as ofertas e sacrifícios levados pelos judeus do mundo inteiro, formando, assim, um verdadeiro tesouro, administrado pelos sacerdotes. A casa de oração tornara-se lugar de comércio e de poder, disfarçados em culto piedoso. Pelo muito que fez e pela sua coragem, despertou a ira dos poderosos de seu tempo e eles o crucificaram, penalidade máxima para aqueles que ousavam se levantar contra a corrupção.

Essa é uma das muitas passagens que exemplificam que Jesus tinha lado e não era o dos ricos e influentes. Não tenho duvida que, vivendo nos dias de hoje, Ele já teria sido exterminado novamente, mas não sem antes virar várias mesas, de vários templos, e expulsar vários falsos profetas, mercadores da fé. Jesus escolheu as pessoas, simples como ele, perseguidos, excluídos e marginalizados. Ele não se preocupava com “CNPJs” e sim com “CPFs”.

“Replicou-lhe o jovem: “A tudo isso tenho obedecido. O que ainda me falta?” Jesus disse a ele: “Se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá o dinheiro aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me”. Ao ouvir essa palavra, o jovem afastou-se pesaroso, pois era dono de muitas riquezas.” – Mateus 19:20-22.

Nós, espíritas, não cremos na teologia da prosperidade ou no evangelho da prosperidade, doutrina cristã da década de 1980 que prega a benção financeira como o desejo de Deus para os cristãos e que aponta que a fé, o discurso positivo e as doações para as comunidades religiosas (ou seus representantes) irão sempre aumentar a riqueza material de quem doou.

Mas há várias instituições ditas espiritas e famosos médiuns que, por exemplo, dispensam seus empregados em meio a pandemia ou defendem a flexibilização da quarentena e a volta imediata ao trabalho. Geralmente, esses “cidadãos de bem” criticam programas de redução da pobreza, como o Bolsa Família ou as cotas nas universidades públicas para negros, indígenas e quilombolas.

São “meritocratas” e adeptos de uma “moral estranha”, aquela que Jesus condenou e, se voltasse, como dito anteriormente, viraria novamente as mesas dos vendilhões modernos dos templos. O espiritismo não é e nem pretende ser o detentor das verdades absolutas. Sigamos a doutrina dos espíritos e não a doutrina dos espíritas. A partir dessa ideia, cada qual responde pelas suas atitudes, prestando conta, com sua própria consciência, pelo bem ou mal, pelos excessos que praticaram.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem