Diálogos da Fé

Blog dedicado à discussão de assuntos do momento sob a ótica de diferentes crenças e religiões

Diálogos da Fé

A Reforma Protestante e o campo evangélico brasileiro

Talvez a maior influência da Reforma Protestante seja a liberdade para interpretar as Escrituras e se organizar religiosamente de acordo com sua interpretação

Estátua de Martinho Lutero em Dresden, na Alemanha
Apoie Siga-nos no

O aniversário recente da Reforma Protestante nos lembra da importância histórica e teológica desse movimento que revolucionou o cristianismo no século XVI, e é também uma oportunidade para refletir sobre o que permanece do espírito da Reforma nas igrejas brasileiras.

A Reforma Protestante, iniciada por Martinho Lutero em 1517, teve um profundo impacto no cristianismo europeu. No entanto, é importante destacar que a Reforma Luterana foi distinta da Reforma Anglicana e da Reforma Calvinista. Da mesma forma, hoje em dia, as igrejas evangélicas brasileiras representam um conjunto variado de tradições e crenças. Os pentecostais, batistas, presbiterianos, luteranos e outros grupos mantêm suas próprias doutrinas e práticas, refletindo a diversidade que caracteriza o protestantismo moderno.

Talvez a maior influência da Reforma Protestante seja a liberdade para interpretar as Escrituras e se organizar religiosamente de acordo com sua interpretação. Nesse sentido, a tradição da reforma está presente na característica de cismas e rompimentos constantes nas igrejas evangélicas brasileiras. A todo momento, diferentes denominações estão surgindo de divisões internas e disputas teológicas e de poder. Isso resulta em uma profusão de grupos e movimentos, cada um com sua interpretação das Escrituras e sua visão de como a igreja deve ser liderada e organizada.

Diante de tanta diversidade, surge a pergunta: é apropriado utilizar o termo “protestantes” ou “evangélicos” como se todas as denominações estivessem sob um mesmo guarda-chuva? As igrejas evangélicas brasileiras variam significativamente em suas crenças e práticas. Essa multiplicidade desafia a ideia de uma identidade comum para os evangélicos brasileiros, que podem se identificar mais fortemente com sua denominação específica do que com um rótulo genérico.

O que une essas diferentes tradições é o fato de elas serem cristãs não católicas. Décadas atrás, quando o catolicismo dominava com folga o campo religioso brasileiro, tal característica poderia oferecer uma identidade comum. Esse tempo, no entanto, já passou. Talvez seja a hora de encarar seriamente essa avaliação e abandonar o guarda-chuva “evangélicos” para tratar de coisas tão distintas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.