Você está aqui: Página Inicial / Tecnologia / Nova ferramenta de busca do Facebook preocupa especialistas em privacidade

Tecnologia

Internet

Nova ferramenta de busca do Facebook preocupa especialistas em privacidade

por Deutsche Welle publicado 18/01/2013 13h56, última modificação 06/06/2015 18h42
Graph Search cruza dados pessoais, possibilitando novo grau de visibilidade na rede social. Defensores do consumidor alertam para riscos, enquanto Facebook garante que vai respeitar configurações definidas pelo usuário

Por Katrin Schlusen

Janeiro de 1994: dois jovens trabalham num projeto para a internet. Sua concepção é uma espécie de guia de viagens para a rede – pois os websites são tantos que ninguém mais consegue ter uma visão do todo. O resultado é hoje bem conhecido: o Yahoo, ferramenta de busca que teve o auge de seu sucesso na década de 1990.

A ideia dos doutorandos Jerry Yang e David Filo era tornar a internet mais transparente. Até então, o que existia eram tentativas de compilar todos os sites existentes num índice – uma espécie de páginas amarelas. No entanto, o que os dois jovens queriam era um mecanismo que não só mostrasse os sites à disposição, mas também ordenasse os resultados da busca.

Vinte anos mais tarde, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, enfrenta um problema semelhante. Sua rede social comporta um enorme número de páginas: são 1 bilhão de perfis de usuários, 240 bilhões de fotos, 1 trilhão de conexões.

No entanto, ainda é praticamente nula a possibilidade de triar todas essas informações de um modo funcional. Por exemplo, a partir de perguntas como "quem, dos meus amigos que moram em Porto Alegre, gosta de filmes de terror?". Mas a situação está prestes a mudar.

Cruzamento de dados

Numa apresentação em Menlo Park, Califórnia, Zuckerberg apresentou a chamada Graph Search, desenvolvida em parceria com a ferramenta de busca Bing, da Microsoft, empresa com a qual já colabora desde 2010.

A nova ferramenta de busca possibilitará não só pesquisar uma palavra-chave, como também cruzar termos de busca, por exemplo pessoas e seu status de relacionamento ("outros solteiros em minha cidade"); interesses e lugares; lugares e amigos ("quais dos meus amigos conhecem um restaurante em Londres?"); ou imagens e datas ("fotos do ano 2009").

Essa possibilidade é um grande diferencial em relação ao Google ou o Yahoo. "Outras ferramentas de busca não são capazes de responder a tais perguntas", resume Jo Barger, redator da revista alemã de informática c't.

Ferramentas de busca de pessoas, como a alemã Yasni, também não podem ser comparadas à Graph Search, afirma Barger. "Elas não fazem muito mais do que uma busca ao pé da letra a partir do nome." Nem mesmo a função de "busca social" de que dispõem os usuários da rede Google+ oferece as possibilidades prometidas pelo Facebook.

A rede social de Zuckerberg é capaz de encontrar mais informações através da nova função de busca porque parte de seus usuários revela muito sobre si. Porém, a Graph Search só fornecerá dados que o usuário permitir. "O Facebook faz questão de enfatizar que as buscas da Graph Search sempre levarão em consideração o grau de privacidade definido pelo dono dos dados", diz Barger.

Matéria para debates

Especialistas em proteção do consumidor e de dados pessoais veem na nova ferramenta uma possibilidade de explorar os limites das configurações de privacidade. "Justamente num país sensível à proteção de dados, como a Alemanha, essa nova visibilidade ainda vai suscitar alguns debates", escreveu o jornalista Pascal Paukner no jornal Süddeutsche Zeitung.

Por sua vez, o encarregado de proteção de dados do estado de Schleswig-Holstein, Thilo Weichert, não hesitou em advertir contra a superbusca do Facebook. "A função de busca que conhecemos da internet penetrará agora no círculo de amigos, o que significa que informações altamente sensíveis também poderão chegar a terceiros."

Carola Elbrecht, da Confederação das Centrais de Consumidores da Alemanha (VZBV), também enfatiza a importância de que os usuários sempre saibam o que ocorre com seus dados. "O Facebook nem sempre se comportou de forma exemplar ao introduzir novos serviços", lembra Elbrecht.

Um portal de mídia online avaliou entusiasticamente a Graph Search como potencial fonte de pesquisa para os jornalistas. A nova função será disponibilizada pouco a pouco nos perfis da rede social ao longo das próximas semanas e meses.