Você está aqui: Página Inicial / Tecnologia / Mal-estar na torre de marfim

Tecnologia

Ciência para a Sociedade

Mal-estar na torre de marfim

por Thomaz Wood Jr. publicado 27/02/2013 10h04, última modificação 27/02/2013 10h04
Editorial da revista The Lancet toca na sensível questão da desorientação da pesquisa científica e seu limitado impacto social

The Lancet é uma das mais tradicionais, conhecidas e respeitadas publicações científicas da área médica. A revista foi criada pelo cirurgião inglês Thomas Wakley no primeiro quartil do século XIX. É o The New York Times das revistas acadêmicas: se lá foi publicado, é porque é verdade e deve ser lido, quase sempre...

Além de publicar os mais relevantes estudos da medicina, a revista não se priva de assumir posições firmes e provocar polêmicas. Em 2003, um editorial propôs, sem meias-palavras, o banimento do tabaco no Reino Unido. Em 2009, a revista acusou o papa Bento XVI de distorcer evidências científicas para promover a doutrina católica sobre a castidade na prevenção da Aids. Um ano depois, um artigo da revista elegeu como alvo o álcool, acusando-o de causar problemas mais graves do que aqueles provocados por algumas drogas ilícitas.

Agora um editorial publicado no início de fevereiro atrai a atenção do leitor com o instigante título: qual é o propósito da pesquisa médica? Em pauta, a fragilidade do processo de construção de conhecimento na medicina.  Pode não ter sido a intenção do autor, mas as provocações contidas no texto ultrapassam as fronteiras da pesquisa médica e poderiam ser dirigidas a outros campos científicos.

Segundo o editorialista, a cada ano são investidos 160 bilhões de dólares em pesquisas na área médica. Entretanto, suspeita-se que o benefício social seja no mínimo duvidoso. Em 2009, Ian Chalmers e Paul Glasziou, em texto publicado na própria The Lancet, estimaram que 85% das pesquisas realizadas desperdiçam recursos ou são ineficientes. As deficiências abrangem quatro dimensões: a falta de relevância para médicos e pacientes, a inadequação do escopo e dos métodos, a dificuldade de acesso aos resultados, e restrições relacionadas à imparcialidade e à significância clínica. Em outras palavras, apenas 15% das pesquisas são confiáveis e relevantes.

Ainda segundo o editorialista, quando se pergunta qual o propósito da pesquisa médica, a maioria das pessoas responde sem vacilar: “Avançar o conhecimento para o bem da sociedade, para melhorar a saúde das pessoas em todo o mundo ou encontrar melhores maneiras para tratar e prevenir doenças”. A realidade, entretanto, é bem diferente. O ambiente acadêmico é um palco onde atuam diferentes grupos de interesse e as forças e pressões resultantes nem sempre conduzem aos nobres ideais citados no início do parágrafo.

O sistema de financiamento à pesquisa costuma adotar procedimentos burocráticos e enfatiza resultados de curto prazo nem sempre coerentes com as características da investigação proposta. A avaliação por pares e especialistas é repetidas vezes opaca e demorada. Empresas farmacêuticas amiúde patrocinam pesquisas em busca do máximo retorno para seu investimento. E as próprias instituições de pesquisa, de mentalidade empresarial, pensam cada vez mais em termos de desempenho, frequentemente utilizando o número de publicações científicas como indicador de sucesso.

O editorialista encerra seu texto com uma chamada para ação: chegou a hora de fazer uma reflexão crítica sobre o estado das coisas e repensar a forma como a pesquisa é conduzida: primeiro, os pesquisadores precisam se lembrar do propósito real da ciência; segundo, é necessário criar processos participativos capazes de definir que pesquisas são necessárias e o impacto esperado; terceiro, as instituições de pesquisa e as universidades devem avaliar pesquisados com base em resultados de longo prazo; e, quarto, os próprios pesquisadores devem se lembrar de por que escolheram suas carreiras. Afinal, é deles a responsabilidade de defender um ambiente propício à pesquisa.

A provocação da revista The Lancet não causa surpresa. Trata-se de mais um sinal do mal-estar resultante do estado das coisas na torre de marfim. Há tempos vêm surgindo, nas mais diversas áreas e latitudes, críticas e apelos a mudanças. As universidades modernas nutriram uma elite peculiar de pesquisadores, uma classe sofisticada, apartada do mundo ao redor e zelosa de seus pequenos privilégios. Onde ocorreu a tentativa de domesticá-la pela adoção de uma pletora de práticas de negócios parece ter gerado mais efeitos colaterais do que resultados positivos.

Reformar o sistema não é tarefa trivial. Sua missão foi desvirtuada, recursos estão sendo mal utilizados, mentes brilhantes estão sendo desperdiçadas e o impacto social fica aquém das mais justas expectativas. Nada disso, entretanto, parece ser suficiente para fazer frente a um modelo que soma pequenas inércias para criar um gigante imune e entorpecido deitado em berço esplêndido.

Últimos artigos de Thomaz Wood Jr:

registrado em: