Você está aqui: Página Inicial / Tecnologia / Justiça americana rejeita novo julgamento Apple-Samsung por patentes

Tecnologia

Estados Unidos

Justiça americana rejeita novo julgamento Apple-Samsung por patentes

por AFP — publicado 30/01/2013 09h47, última modificação 06/06/2015 18h25
O grupo sul-coreano foi condenado em agosto a pagar uma multa de 1,04 bilhão de dólares por copiar licenças

A justiça americana rejeitou o pedido para a realização de um novo julgamento contra a Samsung na disputa de patentes da empresa com a Apple, além de ter confirmado a multa de 1,04 bilhão de dólares contra o grupo sul-coreano.

A juíza do tribunal de San Jose (Califórnia) Lucy Koh destacou, no veredito divulgado na noite de terça-feira 29, que apesar da Samsung ter violado as patentes da Apple, não o fez "voluntariamente". O grupo sul-coreano foi condenado em agosto a pagar uma multa de 1,04 bilhão de dólares por copiar licenças da marca americana.

Segundo a juíza, um novo processo será contrário aos interesses da justiça. Mas Lucy Koh não se pronunciou sobre o pedido da Apple de proibir a venda nos Estados Unidos de uma série de aparelhos fabricados pela rival.

A Apple acusou a Samsung de copiar ilegalmente partes de seus produtos iPhone e iPad para a sua linha Galaxy de smartphones e tablets. As acusações foram negadas pela Samsung. As duas empresas não se pronunciaram sobre a sentença publicada na terça-feira em um documento de 40 páginas.

A Samsung recorreu da decisão original informando que o veredicto representava uma perda para os seus consumidores, alegando que a Apple teria "manipulado" o sistema de patentes para prejudicar os smartphones Galaxy S. Em duas decisões judiciais separadas, no Japão e na Holanda, não foi dado ganho de causa às reclamações da Apple sobre a violação de patente.

A disputa legal entre as duas empresas de tecnologia tem um impacto na concorrência direta no mercado de telefones e tablets, uma vez que a Samsung ocupa o primeiro lugar nas vendas mundiais de smartphones e a Apple, de tablets.

Leia mais em AFP