Você está aqui: Página Inicial / Sustentabilidade / Votação é adiada para próxima semana

sustentabilidade

Código Florestal I

Votação é adiada para próxima semana

por Agência Câmara — publicado 06/03/2012 19h06, última modificação 06/03/2012 19h06
Deputados voltam a debater projeto na terça-feira 13, pois ainda há discordância sobre área urbana e consolidação das propriedades em áreas de proteção permanente
codigoflorestal

Foto: Antonio Cruz/ABr

A votação do texto do Código Florestal foi adiada para a próxima terça-feira 13, segundo informaram os líderes do Democratas, Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), e do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP).

A base governista se reunirá nesta quarta-feira 7 às 14 horas com o relator da proposta, o deputado Paulo Piau (PMDB-MG), para conhecer o relatório e discutir a proposta.

Segundo Piau, a aplicação do novo código na área urbana e a consolidação das propriedades que hoje estão em áreas de proteção permanente, as chamadas APPs, são os pontos divergentes entre os parlamentares. "Meu relatório está pronto para ser entregue hoje. Mas vale a pena tentar um avanço para o entendimento das bancadas", disse Piau à Agência Brasil.

O relator do novo código disse que o texto aprovado pelo Senado representou um avanço, mas parlamentares da bancada ruralista insistem em retomar a chamada Emenda 164, aprovada na Câmara, que prevê a consolidação de todas as áreas em APP até que o órgão ambiental apresente estudos mostrando aquelas que não poderão ser mantidas.

Vaccarezza negou que haja divergência no tema das florestas, como áreas de proteção em margens de rio e nascentes. “Existe uma grande unidade na Casa sobre o fundamental da votação do Senado, então não há risco de enfrentamentos exagerados.”

Ainda assim, a definição das áreas de proteção ainda causa polêmica, principalmente entre os ambientalistas.

Com informações Agência Brasil.

Segundo Piau, a aplicação do novo código na área urbana e a consolidação das propriedades que hoje estão em áreas de proteção permanente, as chamadas APPs, são os pontos divergentes entre os parlamentares