Você está aqui: Página Inicial / Sustentabilidade / Mineração, matriz perversa da economia verde, segundo ativistas

sustentabilidade

Rio+20

Mineração, matriz perversa da economia verde, segundo ativistas

por Redação Carta Capital — publicado 18/06/2012 15h09, última modificação 06/06/2015 19h23
Ambientalistas defendem que o crescimento da exploração de petróleo, gás, minerais e água tem causado forte impacto ambiental na região
protesto água rio+20

Faixas de protesto na Rio+20. Segundo especialistas latino-americanos, o continente vive um boom da mineração, o que é um problema para o meio ambiente. Foto: Envolverde

Por Mario Osava, da IPS/Envolverde

A "economia verde" é o novo demônio de boa parte dos ativistas socioambientais que participam dos debates na Cúpula dos Povos, no Rio de Janeiro, durante a Rio+20.

Trata-se da nova expansão do capitalismo pela “mercantilização dos bens comuns da humanidade”, em que quatro recursos extraídos da natureza – petróleo, gás, minerais e água – são a base de tudo, sintetizou Carlos Torres, cientista político chileno e colaborador do Observatório Latino-Americano de Conflitos Ambientais (OLCA).

"Temos que pagar por qualquer coisa, inclusive os bens públicos como água e os serviços ambientais da natureza. Mas nossos pagamentos não retornam em termos de melhor qualidade de vida, essa a 'perversidade da economia verde', por isso é preciso 'confrontá-la', construir alternativas", diz Torres.

Nesse contexto, a mineração vive um crescimento explosivo no mundo, especialmente na América Latina. As minas se multiplicam, espalhando danos sociais e ambientais, sem que a pobreza e a desigualdade tenham uma solução, observa o ativista que coordena uma assembleia contra “megaprojetos extrativos” no fórum da sociedade civil que faz parte da Rio+20.

No Brasil, a industria extrativa saltou de 1,6 % do Produto Interno Bruto em 2000 para 4,5% no ano passado e os planos governamentais indicam um aumento maior ainda nas próximas décadas, destacou Carlos Bittencourt, coordenador de estudos do setor no Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase).

Serra Pelada, o mais famoso garimpo dos anos 80, reabre agora para exploração do ouro por uma empresa canadense. A Vale planeja duplicar a produção de ferro na Serra de Carajás, o que exige a mesma ampliação da ferrovia que escoa o minério do sul paraense.

Mesmo o Rio de Janeiro se tornou um centro da economia extrativa, com novos portos de exportação de minérios e a construção do maior complexo portuário das Américas em Açu, no norte do estado, uma iniciativa do grupo EBX, do empresario Eike Batista, que também participa do boom mineiro no Chile e na Colômbia.

Mas o maior empreendimento brasileiro é a extração do petróleo do pré-sal, que fez a Petrobras prever investimentos de 236 bilhões de dólares até 2016, gerando encomendas de sondas, navios petroleiros e plataformas que estão reativando a industria naval no país, destacou Bittencourt.

"Essa avalanche que demanda muita energia e água tem, em contrapartida, produzido crescentes resistências populares", concluiu.

No Chile um novo drama, narrado por Juan Carlos Morales, é o projeto da empresa de Eike Batista, de construir em Atacama a maior usina termoelétrica latino-americana, com potencia de 2.350 megawatts. O uso do carvão pulverizado é muito poluente, sua tecnologia já foi banida na Europa, segundo o ativista.

A mineração no norte do Chile exige mais energia, o que justificaria a obra. Mas a região já foi gravemente contaminada por outra termoelétrica durante 40 anos e lá morre uma pessoa de câncer de pulmão por dia, correlaciona Morales. Uma batalha jurídica e a resistência de 70 famílias não estão conseguindo parar o projeto.

A Colômbia, sem a tradição chilena ou peruana de mineração pesada, entrou no clube. Para o atual governo, a mineração é a locomotiva do desenvolvimento, lamentou Camilo Salcedo, pesquisador de políticas ambientais da Universidade Nacional. Já há 5,8 milhões de hectares concedidos para a exploração mineira e lá está presente também o Eike Batista.

Movimentos de resistência também cresceram. Em Bucaramanga, que depende da água das montanhas, um projeto de ouro foi parado pelos protestos. E trava-se uma luta legal para que evitar concessões de lavra em territórios indígenas.

No Peru, a Constituição de 1993, imposta pelo ex presidente Alberto Fujimori, “blinda” as empresas mineiras de todos os riscos. A expansão do setor na última década foi tanta, com impactos tão severos, que um quinto do território nacional vive em “permanente convulsão social”, relatou o peruano Gonzalo Luna.

O projeto Conga, de extração de ouro e cobre na região de Cajamarca, no norte do Peru, enfrenta protestos que chegaram à greve geral, em defesa de quatro lagoas e águas ameaçadas de poluição. No sul, na província de Espinar, trava-se luta similar.

A onda extrativa se estende a muitos países. Também no Haiti sofre uma ofensiva de empresas canadenses em busca de ouro, cobre e prata, denunciou Camille Chalmers, economista e líder de uma rede de organizações sindicais e camponesas por um desenvolvimento alternativo.

No México, produto do Tratado de Livre Comercio com Canadá e Estados Unidos, o setor conta com privilégios constitucionais com a isenção de impostos e mecanismos favoráveis sob o pretexto de estimular investimentos, de forma que um quarto do território nacional já foi concedido à exploração mineira, informou Rosalinda Hidalgo, ativista da água e dos direitos indígenas e camponeses do Estado de Veracruz.