Você está aqui: Página Inicial / Sustentabilidade / Ecochato é a mãe! Chatos são os outros!

sustentabilidade

Sustentabilidade

Ecochato é a mãe! Chatos são os outros!

por Envolverde — publicado 18/11/2010 10h12, última modificação 18/11/2010 10h12
Adotar critérios de sustentabilidade em todos os setores de atividade humana é uma questão de sobrevivência

Por Reinaldo Canto*, especial para a Envolverde
Para aqueles que estão acostumados a defender suas ideias em prol da sustentabilidade é bastante comum sermos chamados de ecochatos e contrários ao desenvolvimento e ao progresso.  O até mesmo ofensivo título deste artigo, que de antemão peço desculpas aos mais sensíveis, é um desabafo, mas também deve-se ao fato de estarmos vivendo um momento muito sensível e preocupante da história da humanidade e difícil de ser contestado. É claro que na democracia todos tem o legítimo direito à discordância, e como não existem verdades humanas absolutas, o contraditório é sempre muito bem-vindo. Nem por isso devemos de ter em conta que o descaso com o nosso meio ambiente vem provocando situações absurdas provocadas pela irresponsabilidade de alguns ou melhor de muitos.

Casos emblemáticos como os do vazamento de petróleo no Golfo do México e a lama tóxica que atingiu recentemente a Bulgária, a Croácia e outros países banhados pelo Rio Danúbio e  afluentes, além das queimadas no Brasil que atingiram recordes, isso para citar apenas os mais graves, deveriam ser mais que suficientes para resultarem em análises aprofundadas e a mobilização de toda a sociedade mundial para identificar e tomar as providências necessárias que busquem evitar tais barbaridades cometidas contra o nosso planeta.

A adoção de critérios de sustentabilidade em todos os setores da atividade humana é uma questão de sobrevivência e ponto! Assim como não é possível flexibilizar a segurança em obras de engenharia, como na construção de um prédio ou de uma ponte, não deveríamos aceitar que autoridades públicas e privadas cogitassem, sequer por um minuto, afrouxar os cuidados com a preservação ambiental em nome de alguma coisa que leve o nome de desenvolvimento. Aliás, deveríamos eliminar a denominação desenvolvimento para qualquer obra ou ação humana com claros sinais insustentáveis.

Não é mais possível aceitar que sejam questionados por A ou B a realização dos relatórios de impacto ambiental, ainda mais se vierem acompanhados de expressões como: “obstáculos ao progresso” e “prejuízos à economia”. Diante disso pergunto: qual progresso? Que tipo de economia?

O Relatório Planeta Vivo 2010 publicado em outubro deste ano pela organização não governamental WWF constatou que o planeta já perdeu 30% de recursos naturais e só nos países tropicais, num período de cerca de 40 anos, foram extintas 60% da biodiversidade. A própria ONU, durante a realização da Conferência sobre Biodiversidade, a COP-10 no mês passado no Japão alertou governos e empresas  que a destruição do meio ambiente precisará ser computada como prejuízo em orçamentos e PIBs, realidade que até agora foi olimpicamente ignorada.

O aquecimento global está aí para não sermos desmentidos. Segundo previsões, 1/3 das áreas cultiváveis do planeta poderão deixar de existir até 2050 em razão das mudanças climáticas. Além é claro de outras conseqüências nefastas como migrações forçadas e mortes de milhões de pessoas por falta de alimentos e água potável.

O consumo desenfreado, a fome insaciável por energia e um desperdício sem precedentes precisam estar com os dias contados, caso contrário nós é que estaremos.  Portanto, caso você defenda uma nova visão e uma nova postura diante de tantos fatos óbvios, não aceite naturalmente ser chamado de ecochato.  Sem dúvida, chatos são os que acham que bonito é deixar tudo como está.

*Jornalista, consultor e palestrante, foi diretor de comunicação do Greenpeace e coordenador de comunicação do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente
Blog: http://cantodasustentabilidade.blogspot.com/
Email:

(Envolverde/O autor)