Você está aqui: Página Inicial / Sustentabilidade / Distribuição de cestas básicas gera problemas para comunidades afetadas por Belo Monte, alerta Cimi

sustentabilidade

Energia

Distribuição de cestas básicas gera problemas para comunidades afetadas por Belo Monte, alerta Cimi

por Agência Brasil publicado 09/03/2011 15h39, última modificação 10/03/2011 10h26
Organização está preocupada com o início das obras da hidrelétrica em Altamira, no Pará, pela Norte Energia.

Organização está preocupada com o início das obras da hidrelétrica em Altamira, no Pará, pela Norte Energia

Por Pedro Peduzzi

A distribuição de cestas básicas pelo consórcio Norte Energia a populações indígenas que serão afetadas pela construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte está acarretando problemas a essas comunidades. O alerta é do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). De acordo com a entidade, por estarem recebendo gratuitamente esses alimentos, há comunidades que deixaram de preparar suas roças tradicionais.

“Não há nada de positivo em Belo Monte. Inclusive há condicionantes aplicadas que estão acarretando em problemas. É o caso da distribuição de cestas básicas para as populações indígenas. Por causa delas, há comunidades que não estão mais fazendo suas roças tradicionais. Essas cestas causam dependência externa e potencializam, além de criar, problemas e prejuízos para essas populações”, disse à Agência Brasil o secretário adjunto do Cimi, Cléber Buzatto.

A informação de que já foi iniciada a terraplanagem para o canteiro de obras da usina deixou os missionários do Cimi preocupados. “Estamos impactados com essa informação. Isso mostra que a obra está alicerçada na ilegalidade e na inexistência de diálogo com as populações locais”, criticou Buzatto.

Para ele, em vez de investir em novas hidrelétricas, o país poderia melhorar a estrutura já existente. “Belo Monte não é necessária para o país, e as condicionantes não justificam a obra. O país poderia ampliar sua capacidade energética se investisse na estrutura existente. Isso não acontece porque não dá ganhos para as grandes corporações envolvidas no processo”, avaliou Buzatto.

Os apagões, segundo ele, provam essa tese. “Eles [os apagões] aconteceram em consequência de uma série de problemas técnicos básicos que confirmam a falta de investimentos na rede existente. Temos de investir na repotencialização das turbinas que estão defasadas. Isso resultaria, entre as perdas de transmissão, em um ganho de 20%”, argumentou.

Ele adianta que o Cimi - vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) - continuará atuando nas comunidades com mobilizações contrárias à obra. “Estamos programando uma mobilização para os próximos dias. Nela faremos uma ação simbólica para demonstrar o valor do Rio Xingu e o modo de vida das populações locais que serão atingidas pela usina.”

Buzatto explica que os povos indígenas não veem o formato de desenvolvimento adotado pelo país como modelo de desenvolvimento para as futuras gerações.

“Para os indígenas, esse modelo hegemônico não é sustentável e resulta nas diversas catástrofes climáticas de que temos notícia. Além disso, eles sabem que a usina levará, para a região, mais violência, mais prostituição e mais exploração de trabalhadores, além da invasão dos territórios que eles preservam há milhares de anos”, completou o missionário.