Você está aqui: Página Inicial / Sustentabilidade / Reflexão para o dia mundial sem carro

sustentabilidade

Cidadania

Reflexão para o dia mundial sem carro

por Reinaldo Canto publicado 22/09/2011 11h31, última modificação 22/09/2011 12h00
É possível equacionar o fato de que milhares de novos carros sejam despejados todos os meses nas ruas de nossas cidades?

Hoje, dia  22 de setembro, comemora-se o Dia Mundial Sem Carro. Ocasião que serve ou deveria servir para pensar e refletir sobre a crescente dependência de veículos de transporte individual.  Qual o futuro dessa opção? Quais os limites para o crescimento da indústria automobilística? Será possível equacionar o fato de que milhares de novos carros sejam despejados todos os meses nas ruas de nossas maiores cidades com a busca pela sustentabilidade e qualidade de vida de seus habitantes?

Vivemos um estranho e perigoso momento sem que tenhamos ideia de como sair dele. Só no ano passado, segundo a Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea), foram vendidos 3,5 milhões de automóveis no país.  As grandes cidades brasileiras estão abarrotadas de carros, em geral com apenas um ocupante em seu interior. Nos últimos anos, com o crescimento econômico e a comemorada ascensão social, o automóvel deixou de ser apenas um sonho de consumo de muitas pessoas para se tornar uma realidade ao alcance dos bolsos ou via crediário.  Esse quadro que já vinha se desenhando ao longo do tempo acelerou muito em anos recentes. Os sucessivos recordes de produção da indústria automobilística obrigam a transformar fortemente a paisagem e a arquitetura das cidades. O carro adquire assim um protagonismo absoluto preenchendo e desvirtuando os espaços antes ocupados pelas pessoas.

A difícil vida dos pedestres

É fácil notar a diferença em andar pelas calçadas, por exemplo, de uma Avenida como a Paulista, na área central de São Paulo, em comparação com as pseudo calçadas da maioria dos bairros paulistanos. Na Paulista, essas calçadas cumprem um papel de integração e convivência entre as pessoas. Elas são largas, possuem melhor acessibilidade às pessoas com baixa mobilidade e permitem exercer a caminhada com segurança e tranqüilidade. A Paulista é uma exceção, um verdadeiro oásis numa cidade que exige de seus pedestres, uma condição de artista de circo para a realização diária de evoluções impossíveis na corda bamba da sobrevivência.

É óbvio se imaginarmos qualquer grande cidade brasileira sem carros da maneira como estão hoje configuradas, o caos seria inevitável. Nossos ônibus e trens do metrô já circulam com níveis de lotação máxima ou até mesmo, acima disso, quando esses veículos de transporte coletivo se transformam, em "latas de sardinha".

Se de uma hora para outra só fossemos contar com eles, eliminando como num passe de mágica os automóveis, não é preciso ser um especialista em mobilidade urbana para concluir que estaríamos, literalmente, numa situação totalmente insustentável.

Por outro lado, se não vivemos atualmente um colapso urbano, parece que isso é apenas uma questão de tempo.   Afinal, quantos novos viadutos terão de ser construídos, quantas novas avenidas precisarão ser rasgadas redesenhando e desfigurando o espaço urbano e substituindo  espaços de ocupação legítimos das pessoas, ao reduzir ou mesmo eliminar calçadas, calçadões e praças? Quantos milhões, bilhões de reais ainda serão gastos para obras viárias que privilegiam o automóvel e cujos benefícios são tão efêmeros que em muito pouco tempo passarão a ocupar um triste lugar na prateleira das grandes obras, caras e obsoletas como as que já estamos acostumados a reconhecer?

Mudanças necessárias

Uma cidade sem carros antes de mais nada, teria naturalmente de garantir um transporte coletivo eficiente, seguro e pontual; ciclovias espalhadas por todas as regiões e vistas mais como corredores de tráfego do que meramente para passeios e as calçadas seriam utilizadas naturalmente, pois deixariam de parecer crateras lunares ou pistas para disputas de rally.

Portanto, o caminhar deixaria de ser uma atividade extraordinária e de lazer da classe média em finais de semana para retomar a sua função mais básica e primordial, ou seja, a de ir de um ponto a outro. Simples assim! Aliás, nada mais nada menos do que o ser humano sempre fez ao longo de sua existência!

Praças, parques, calçadões e bulevares passariam a ser regra e não exceção. Os moradores da cidade, bem como seus visitantes recuperariam o que nunca deveriam ter perdido: a ocupação natural e democrática de todos os espaços públicos da metrópole.