Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Sobe para 37 o número de presos na Operação Guilhotina

Sociedade

Rio de Janeiro

Sobe para 37 o número de presos na Operação Guilhotina

por Agência Brasil publicado 13/02/2011 08h02, última modificação 13/02/2011 08h02
O objetivo é desarticular grupos de policiais civis e militares suspeitos de envolvimento com tráfico de drogas e armas, milícias e exploração de jogos ilegais, como jogo do bicho e caça-níqueis. Por Paulo Virgilio

Por Paulo Virgilio

Mais dois policiais, que estão na lista de procurados da Operação Guilhotina, se entregaram nas últimas horas: o subtenente Marcos Antonio de Carvalho, da Polícia Militar, e o inspetor Christiano Gaspar Fernandes, da Polícia Civil. Com isso, sobe para 37 o número de presos durante a operação, desencadeada ontem (11) pela Polícia Federal (PF) e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

O objetivo é desarticular grupos de policiais civis e militares suspeitos de envolvimento com tráfico de drogas e armas, milícias e exploração de jogos ilegais, como jogo do bicho e caça-níqueis.

O subtenente Marcos Antonio de Carvalho se entregou na sede da Superintendência da PF às 23h30 dessa sexta-feira e foi transferido durante a madrugada para Batalhão Especial Prisional (BEP), em Benfica, zona norte do Rio. O inspetor Christiano Gaspar Fernandes se apresentou na madrugada deste sábado 12 na 22ª Delegacia Policial, na Penha, zona norte da cidade, e foi levado para o Presídio Bangu 8, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste.

Um dos presos durante a Operação Guilhotina é o delegado Carlos Alberto de Oliveira, que ocupou o cargo de subchefe da Polícia Civil do Rio. Ele é acusado de participação no esquema de recebimento de propina de traficantes de drogas.

Foram mobilizados na operação 380 agentes de Polícia Federal e 200 policiais civis e militares do Rio para cumprir 45 mandados de prisão preventiva e 48 mandados de busca e apreensão de documentos e equipamentos. Entre os 37 detidos até agora, 20 são policiais militares, nove são policiais civis e o restante são pessoas suspeitas de terem alguma ligação com o crime organizado.

registrado em: