Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / 44,8% do país não tem esgoto

Sociedade

IBGE

44,8% do país não tem esgoto

por Redação Carta Capital — publicado 19/10/2011 16h02, última modificação 06/06/2015 18h15
IBGE indica crescimento do alcance de serviços básicos;ainda assim, quase metade não possui rede de esgoto
esgoto rua de estrutural a dez km de brasilia foto valter campanato

Rua de cidade a dez quilômetros de Brasília. Bairro popular não tem rede de esgoto. Foto: Valter Campanato/ABr

O Brasil ainda está muito longe de ter uma rede de saneamento abrangente e eficiente, mas apresentou uma melhora nos últimos anos. O Atlas do Saneamento 2011, feito pelo IBGE com dados de 2000 e 2008 mostra que cerca de 44,8% dos municípios não possuem rede coletora de esgoto. No Norte, este valor chega a 13%.

Mesmo assim, houve um crescimento expressivo do número de municípios atendidos pela rede de saneamento. Em 2000, apenas 41,5% dos municípios possuiam coleta de esgoto, valor que subiu para 55%. O estudo mostra também que 99% dos municípios possuem rede de distribuição de água em 2008, ante 97% de 2000, assim como o manejo de resíduos sólidos (lixo), que só não ocorre em duas cidades. Em relação ao manejo de águas pluviais, o Brasil deu um grande salto: em 2000, 79% dos municípios eram atendidos pelo sistema. Em 2008, 94%.

O estudo observou que as melhorias na rede coletora de esgoto foram mais intensas próximas aos grandes centros urbanos. Em São Paulo, houve um aumento no número de áreas de esgotamento sanitário no eixo que passa pela capital, Capinas e Rio Preto, assim como no Triângulo Mineiro, nos municípios próximos ao Rio de Janeiro (RJ) e pontualmente nas capitais de estados, como Goiânia (GO), e os eixos  Belém (PA)- Marabá (PA)-Imperatriz (MA) e Manaus (AM)-Santarém (PA) na região Norte.

Um ponto alarmante da pesquisa é o alto risco de contaminação de águas em todo o país. Áreas em que há ameaça de poluição aos recursos hidrícos se espalham por toda costa do país e alguns pontos no interior. O Nordeste contém a maior concentração de pontos de risco. Em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso e Minas Gerais muitos lugares possuem esgoto não tratado em regiões de rios, lagoas e lagos. O mesmo ocorre no litoral do Nordeste. Além disso, o mapa mostra que alguns pontos de bacias hidrográficas possuem áreas com resíduos industriais perigosos. Próximo ao Rio Amazonas, há duas regiões nessa situação. A divisa de Alagoas e Sergipe, na foz do Rio São Francisco, é outro local com risco de contaminação. Ao todo, são dez pontos sob essa condição.

registrado em: