Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / França celebra 1º casamento gay nesta quarta-feira

Sociedade

Igualdade

França celebra 1º casamento gay nesta quarta-feira

por AFP — publicado 28/05/2013 11h12, última modificação 28/05/2013 11h18
Em meio a grandes protestos em Paris, Vincent Autin e Bruno Boileau vão dizer "sim" no salão de honra da prefeitura de Montpellier
Pascal Guyot / ©afp.com
Casamento Gay França

Vincent Autin (à esquerda) e Bruno Boileau, que vão se casar nesta quarta-feira

MONTPELLIER, França - O primeiro casamento gay da França será celebrado nesta quarta-feira 29, em meio à tensão social que toma conta do país, após uma nova grande manifestação dos opositores do matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, promovida no último domingo 26 e que, segundo a polícia, contou com cerca de 150 mil pessoasVincent Autin, de 40 anos, e Bruno Boileau, de 30, que vão dizer "sim" no salão de honra da prefeitura de Montpellier, no sul do país, aguardavam a aprovação da lei há muito tempo. Depois da decisão, Boileau fez questão de parabenizar "todos os militantes que lutaram por anos".

No domingo, os adversários do casamento gay organizaram um grande protesto em Paris, que acabou com combates entre os policiais e membros de extrema-direita. A polícia mobilizou 4,5 mil agentes para escoltar as quatro marchas organizadas na capital - três delas convocadas pelo grupo "Manifestação para todos" e uma pelo Instituto Civitas, ligado a fundamentalistas católicos.

O primeiro matrimônio entre pessoas do mesmo sexo no país contará com a presença da ministra de Direitos das Mulheres e porta-voz do governo, Najat Vallaud-Belkacem, e da ministra da Família, Dominique Bertinotti. No total, 200 familiares e amigos do casal, 300 convidados de associações e grupos políticos e 130 jornalistas - ou seja, mais de 600 pessoas - vão participar da cerimônia.

A lei, uma das promessas de campanha do presidente socialista François Hollande, provocou uma imensa turbulência na França, com a multiplicação das manifestações no último mês. As ações são frequentemente marcadas por atos de violência, ameças e agressões homofóbicas.

O casamento será celebrado em Montpellier devido à militância da prefeita da cidade, a socialista Hélène Mandroux. Em 2011, a prefeita casou, simbolicamente, dois homossexuais.

"Não quero alvoroço, não sou famosa. Nesse momento deve prevalecer o respeito ao acontecimento", afirmou a prefeita.

A cerimônia será sóbria. Depois de perguntar aos dois se aceitam um ao outro como marido e escutar o "sim" de cada um, a prefeita dirá aos noivos: "Eu vos declaro unidos pelo vínculo do matrimônio".

Temendo manifestações hostis, a prefeitura pediu que não seja organizada uma festa na área externa. Uma festa particular com os parentes do casal será celebrada em um local que é mantido em segredo.

"Nosso casamento é muito midiático, o que pode intimidar um pouco, mas estamos cuidando para que a sua finalidade não seja esquecida. O que queremos é a igualdade para todos, que todos possam se casar na prefeitura de suas cidades", declarou Bruno Boileau.

A lei que autoriza o casamento e a adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo foi aprovada pelo Parlamento francês em 23 de abril. Depois de um recurso da oposição de direita ao Conselho Constitucional, a corte validou a medida em 17 de maio, que foi promulgada pelo chefe de Estado no dia seguinte.

A França é o 14º país do mundo a legalizar o casamento gay.

registrado em: ,