Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Por acaso

Sociedade

Panela de pressão

Por acaso

por Marcio Alemão publicado 16/08/2010 13h23, última modificação 16/08/2010 17h11
Márcio Alemão: "Não tema pelo pior. De um erro de cozimento, podem surgir grandes acertos"
refogado

Hoje as panelas não estouram com tanta frequência e a molecada não se interessa mais por espingardas de pressão

Não tema pelo pior. De um erro de cozimento, podem surgir grandes acertos

Sobre o acaso. No Refô anterior falei sobre meu descaso diante de uma tragédia anunciada. Era muita carne para pouca panela e juntou aquele monte de água. A carne, que deveria naquele momento ganhar uma seladinha, uma corzinha e nada mais, acabou cozinhando. E na última linha admiti que o meu estrogonofe ficou ruim.

O leitor atento deve se lembrar que fiz um caldo de carne para o fracassado prato. Do caldo feito usei pouco. Não era muito e, portanto, sobrou outro pouco. A carne, um belo naco de coxão duro, ainda estava muito dura. Até com certo descaso coloquei essa carne e o pouco do caldo restante e mais um bom tanto de vinho tinto – um português muito bom que leva o nome de Quinta do Lago. Já estava há muito nas redondezas. Para beber não servia mais. Dei-lhe um fim nobre e digo que ele mereceu e que ele correspondeu.

Peço desculpas pelo aposto longo. Repetindo para quem perdeu o fio da meada, como eu: coloquei a carne, o caldo e o vinho em uma panela de pressão. Indo direto ao final da história, saiba que esqueci a carne na panela. Meu plano era deixá-la ali por 15 minutos. Decidi ir passear com o cão e voltei 40 minutos depois. Ao entrar na cozinha fui arrebatado por um aroma estonteante, mas temi pelo pior.

Tirei a panela do fogo e a coloquei sob a água fria, para cortar logo a pressão. Segurando a panela percebi que o caldo não mais existia.

Enfim, a panela foi aberta e lá estava uma calda linda, um molho totalmente aveludado, cor de tijolo. A carne estava no ponto de garfo, se é que essa nomenclatura existe. É provável que não, mas é útil para entender o ponto: a carne podia ser cortada com o garfo.

Nunca antes havia conseguido chegar a um molho com aquela textura e consistência. Fiquei feliz, mas não me parabenizei. Nesse momento, fosse o que relatei o conteúdo de um programa de tevê, quem sabe um vigilante rodoviário ou um guarda amigo qualquer entraria em cena para dizer: “Atenção, amiguinhos! Hoje o nosso mestre-cuca deu sorte, mas o assado, a panela e, quem sabe, a casa dele poderiam estar em chamas nesse momento. Olho vivo na cozinha!”

Histórias de panela de pressão que estouram eram muito mais comuns. Assim como era comum, na época que eu pleiteava desesperadamente uma espingarda de chumbinho, também conhecida como espingarda de pressão, ouvir casos de filho da amiga da vizinha que ficou cego com um tiro, primo da neta da avó da tia que perdeu o movimento do dedo mindinho também por causa de um tiro. Hoje as panelas não estouram com tanta frequência e a molecada não se interessa mais por espingardas de pressão.

Bizarrice ligada ao tema conto-lhes agora. O outrora bom capelete que eu comprava na Cantina Roma transformou-se em um estranho objeto. Soa estranho, eu sei, mas não consigo me referir a ele de outra maneira. Como alguém pode explicar um capelete fresco que fica mais de 40 minutos em água e continua duro? Como definir uma massa fresca recheada que passa 20 minutos na panela de pressão e não se desfaz?
O que fazer? Esqueça o capelete e compre o ravióli de ricota ou mesmo o canelone, que continuam bons.

Ainda que eu não seja um guarda, vale o conselho de ficar atento com panelas de pressão. E vale – quem sabe em minhas próximas férias – fazer uma pesquisa mais profunda das muitas comidas que podem ficar interessantes sob pressão. Já escrevi sobre o frango frito na pressão, mas não tive coragem de fazer. Sei que arroz pode rolar em minutos e com bom resultado. Alguém já me explicou como fazer uma polenta, mas acho que não foi convincente. Por acaso a carne deu muito certo por ter ido além do tempo. Por incrível que possa parecer, o acaso ainda promove grandes acertos.

registrado em: