Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Polícia desocupa prédio da Unifesp de Guarulhos tomada por estudantes

Sociedade

Universidade

Polícia desocupa prédio da Unifesp de Guarulhos tomada por estudantes

por Agência Brasil publicado 06/06/2012 18h58, última modificação 06/06/2012 18h58
Segundo o Centro de Operações da PM, 41 alunos foram presos e levados para a sede da Polícia Federal na Lapa

Bruno Bocchini
Repórter da Agência Brasil

São Paulo - A Polícia Militar (PM) de São Paulo desocupou no início da noite de quarta-feira 6 um prédio administrativo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em Guarulhos, que estava tomado, desde a última quinta-feira, por estudantes. Segundo o Centro de Operações da PM, 41 alunos foram presos pela polícia e levados para a sede da Polícia Federal no bairro da Lapa, em São Paulo.

Os policiais cumpriram decisão da 1ª Vara da Justiça Federal em Guarulhos (SP) que determinou que oficiais de Justiça, acompanhados de policiais militares e federais fizessem a reintegração de posse, ainda nesta quarta-feira, do campus em Guarulhos. Os alunos da unidade estão em greve desde o final do mês de março.

“A reintegração de posse foi determinada após o recebimento, pela 1ª Vara, de informações enviadas pela Unifesp sobre providências que foram adotadas desde 2010, ano em que havia ocorrido outra greve, para sanar as falhas que existiam na universidade apontadas pelos alunos”, disse, em nota, a Justiça Federal.

De acordo com a Justiça, a Unifesp apresentou documentos que demonstram que parte das reivindicações do movimento estudantil está sendo atendida, como a construção do prédio central e de moradia para estudantes, garantia de diversidade, alimentação e transporte de qualidade.

Em nota, a reitoria da Unifesp reclamou da postura dos estudantes. “A invasão do campus, com a depredação das instalações, não é forma legítima de manifestação ou reivindicação. Trata-se de conduta absolutamente contrária ao sistema constitucional e ao Estado Democrático de Direito. Ao contrário de resolver o problema, a ocupação do prédio só agravou a rotina acadêmica e administrativa da Unifesp”.

registrado em: ,