Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / PM prende 24 manifestantes no Estádio Mané Garrincha

Sociedade

Brasília

PM prende 24 manifestantes no Estádio Mané Garrincha

por Redação — publicado 15/06/2013 16h27, última modificação 15/06/2013 18h17
Polícia usou gás lacrimogêneo para reprimir grupo que protestava contra o uso de recursos públicos na Copa das Confederações
Marcello Casal Jr./ABr
brasil.jpg-4659.html

Manifestantes no Estádio Mané Garrincha, em Brasília

A Polícia Militar do Distrito Federal prendeu 24 pessoas que protestavam nas proximidades do Estádio Nacional Mané Garrincha neste sábado 15. A região reúne deste a manhã manifestantes contra o uso de recursos públicos na Copa das Confederações, que começa neste fim de semana.

Os policiais usaram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para tentar dispersar os manifestantes, que tentaram se aproximar do estádio que recebe o jogo de abertura da competição entre Brasil e Japão. Algumas pessoas, entre elas manifestantes, foram atingidas no tórax e na cabeça, segundo a Agência Brasil.

De acordo com a PM, quatro policiais das Rotas Ostensivas Táticas Móveis (Rotam) foram feridos com pedradas.

Apesar de ter ocorrido próxima de torcedores, o chefe da Comunicação Social da PM, Zilfrank Antero, considerou a ação policial natural. "Eles [manifestantes] não obedeceram ao uso progressivo da força. A polícia está aqui para garantir a ordem", disse, enquanto o confronto ocorria.

De dentro do estádio, locutores pediam que os torcedores continuassem nas filas e no processo de revista para entrar no estádio. Foram vendidos 64.721 ingressos para a partida.

O protesto começou pela manhã na Rodoviária de Brasília. Depois, os manifestantes romperam barreiras colocadas pela polícia para controle de acesso ao estádio. Ao ultrapassarem o último obstáculo, a polícia usou bombas de gás como estratégia para "acalmar os ânimos" na ocasião, de acordo com o tenente-coronel.

Ao todo, 3,2 mil policiais fizeram a segurança no local, incluindo a Tropa de Choque e a Polícia Montada.

Com informações Agência Brasil.