Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / PM prende 31 em protesto contra aumento da tarifa de ônibus no RJ

Sociedade

Rio de Janeiro

PM prende 31 em protesto contra aumento da tarifa de ônibus no RJ

por Agência Brasil publicado 11/06/2013 09h23
OAB acusa a polícia de agir de forma truculenta e atacar pessoas que não faziam parte da manifestação

A Polícia Militar (PM) prendeu 31 pessoas no protesto no início da noite de segunda-feira 10 no centro da capital fluminense contra o reajuste nas passagens dos ônibus urbanos, organizado nas redes sociais. No trajeto, os manifestantes carregavam uma faixa com os dizeres: "Desculpe o trânsito. Estamos lutando pelos seus direitos".

A manifestação ocorria normalmente até a Avenida Presidente Antônio Carlos, esquina com a Rua Primeiro de Março, no centro da cidade. Em frente ao Tribunal de Justiça houve confronto com homens da Tropa de Choque da PM, e os militares, para controlar a situação, jogaram gás de pimenta e bombas de efeito moral contra as pessoas que participavam do ato.

A partir daí, começou uma confusão e corre-corre com os manifestantes seguindo pela Rua Primeiro de Março em direção à Avenida Presidente Vargas. Por medida de segurança, a Polícia Militar fechou o tráfego na Avenida Presidente Antônio Carlos, na altura da Avenida Almirante Barroso, para evitar que ônibus e carros de passeio fossem depredados durante o protesto.

Como segunda-feira é dia de coleta de lixo na área central da cidade, os manifestantes espalharam lixo pelo meio da rua e chegaram a destruir parcialmente alguns pontos de ônibus no trajeto. A PM fechou também a Avenida Presidente Vargas nos dois sentidos.

O protesto terminou pouco depois das 19h, mas homens da Tropa de Choque ficaram posicionados até duas horas depois, em todos os cruzamentos ao longo da Avenida Presidente Vargas para evitar novos protestos.

Todos os detidos foram levados para a 5ª Delegacia Policial, na Avenida Mem de Sá. André Barros, representante da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, que estava deixando o fórum na hora da manifestação, foi até a delegacia protestar pela forma violenta como a polícia agiu.

"A polícia de forma muito truculenta atacou os manifestantes com bomba de gás lacrimogêneo, balas de borracha e aquelas pessoas se dispersaram, perderam o controle e o centro da cidade se transformou em uma praça de lutas. Agora, o que me deixou estarrecido é a polícia ter feito isso em frente ao fórum e atacou pessoas que não estavam na manifestação".

Barros disse que a ação correta da Polícia Militar deveria ser acompanhar o movimento social para proteger as pessoas e é o que está previsto na Constituição Federal que diz "que todos podem reunir-se pacificamente sem armas em locais abertos ao público, independentemente de autorização".

Dos detidos sete são menores de idade e apenas um deles permanecerá na delegacia, acusado de dano ao patrimônio público. O delegado Antônio Bonfim disse que ele só será liberado mediante pagamento de fiança.

registrado em: