Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Os piratas de Marajó

Sociedade

Criminalidade

Os piratas de Marajó

por Matheus Pichonelli publicado 28/07/2011 15h49, última modificação 02/08/2011 09h56
No sul, conflitos no campo e, ao norte, ações de piratas. Policiamento na ilha de Marajó, no Pará, é feita com lanchas e búfalos
Os piratas de Marajó

No sul, conflitos no campo e, ao norte, ações de piratas. Segurança pública no Pará tem a ajuda de lanchas e búfalos no maior arquipélago fluvial do planeta. Foto: Cláudio Santos/Agência Pará

O navio trefegava pela foz do rio Camará, próximo à ilha de Groa Grande, no arquipélago de Marajó, quando um barco metalizado se aproximou. Armados com revolveres e escopetas, os cinco assaltantes subiram até a embarcação e renderam o comandante. Pouco depois, já a bordo, espalharam pânico entre os 186 passageiros que seguiam viagem. Os piratas, como estão sendo chamados pelo próprio governo paraense, levaram objetos pessoais, celulares, dinheiro e equipamentos eletrônicos.

Uma semana depois, em 22 de junho, outra embarcação, esta conhecida como Arca da Aliança, foi invadida por três assaltantes durante a madrugada enquanto navegava pelas águas do Furo da Jararaca, na Baía do Marajó, entre os municípios de Muaná e São Sebastião da Boa Vista. O navio levava 45 pessoas. Durante a ação, os piratas mataram uma passageira de 20 anos, identificada como Rafaelen Sousa Cavalcante. O tiro fatal foi disparado, segundo a polícia, após um dos piratas agredir um tripulante com uma coronhada, o que acabou acionando a arma. Era a segunda morte provocada em assaltos nos rios da região desde março, quando uma ação semelhante vitimou o barqueiro Lourivaldo Pinheiro Gonçalves, de 23 anos.

A onda de assaltos na maior bacia hidrográfica do mundo é hoje um dos principais desafios em um Pará envolto em dificuldades para garantir a segurança da população em áreas onde o Estado é quase figura decorativa, como provam os conflitos agrários que deixaram ao menos cinco mortos nos últimos dois meses – entre eles o casal extrativista José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo Silva, no assentamento de Nova Ipixuna, a mais de 700 quilômetros da área dominada pelos piratas.

A região parece o cenário ideal para os crimes, promovidos geralmente durante a madrugada e conduzidos por quem já não compete com a bandidagem por terra.

Nas contas da polícia, existem ao menos 5 mil embarcações que trafegam pelos rios paraenses. Tudo no local parece superlativo. Só na ilha de Marajó existem 3 mil ilhas e ilhotas. São 50 mil quilômetros quadrados só na ilha principal, o equivalente a 33 cidades do tamanho de São Paulo: um esconderijo entre rios e florestas que funcionam como rota de fuga para os assaltantes. Do outro lado, a segurança é quase rudimentar. A precariedade do policiamento é ilustrada pela ronda ostensiva feita com a ajuda até mesmo dos búfalos, o símbolo máximo de Marajó. Parece piada, mas não é: em Soure, cidade de 23 mil habitantes da ilha, dez animais são usados pela Polícia Militar num agrupamento chamado de Bufalaria da PM, que atua há quase 20 anos na cidade.

No site do governo paraense, um policial garante que os búfalos respeitam o comando e são ótimos para tração em áreas alagadas – o que seria, segundo ele, uma vantagem em relação aos cavalos. Falta combinar com os bandidos que, em terra, tem como especialidade o roubo de gado.

Para o combate nos rios, o governo lançou, no mês passado, um grupamento fluvial especializado em ação dos piratas, que reuniu homens das policias Militar e Civil. A iniciativa conta com lanchas de apoio e rádio para comunicação.

As primeiras prisões, no entanto, foram feitas por terra. Em 16 de junho, cinco suspeitos do assalto aos 186 passageiros na Groa Grande foram detidos – uma mulher e quatro homens, entre 22 e 44 anos – em uma ação realizada nos bairros Pratinha I e II em Belém. Com eles, a polícia paraense encontrou os objetos roubados dos passageiros e tripulantes, como aparelho de som, joias, pulseiras e até anel de brilhantes. Em depoimento, os detidos disseram que a ação rendeu para cada um de 800 a 900 reais.

O último suspeito de integrar o bando, Ronildo Ferreira Amador, conhecido como "Acari", foi preso em flagrante logo em seguida, com uma espingarda cartucheira calibre 36, em uma operação desencadeada a partir de denúncia anônima.

A artilharia mostra a maneira como os piratas estão preparados para as ações. “Já podemos concluir que são muitas quadrilhas de piratas que atuam nessa região, que é muito grande, tem muitos rios e floresta, o que sempre facilita a fuga”, lamenta o escrivão da Polícia Civil William Braga.

Enquanto falava por telefone, na quarta-feira 27, parte da equipe em que trabalha estava em diligência. Tentava localizar três novos piratas que, três dias antes, haviam invadido uma balsa. Os 12 passageiros que estavam no local tomaram a embarcação em Belém e seguiam para Anajás, perto dali. Deixaram a embarcação sem dinheiro, objetos pessoais, e notebooks que levavam na bagagem.

registrado em: ,