Sociedade

Corrupção na PM

Operação prende 60 PMs no Rio e derruba comandante do batalhão de Caxias

por Redação Carta Capital — publicado 04/12/2012 14h36, última modificação 06/06/2015 19h24
A Operação Purificação, da Polícia Federal e da Secretaria Estadual de Segurança, prendeu policiais militares suspeitos de receberem propina de traficantes

Sessenta policiais militares foram presos, na manhã desta terça-feira 4, suspeitos de receberem propinas de traficantes para não coibir atividades criminosas em 13 comunidades do município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Todos eles trabalhavam no 15º Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro e serão expulsos da corporação, segundo o coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, comandante geral da corporação.

O esquema foi descoberto pela Operação Purificação, feita pela Polícia Federal em conjunto com a Secretaria Estadual de Segurança, que também prendeu outros 11 suspeitos de tráfico de drogas.

As investigações tiveram início em abril deste ano, quando a Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro constatou o aumento do índice de criminalidade em Duque de Caxias. Segundo as investigações, os policiais recebiam cerca de 2,5 mil reais cada vez que faziam plantão em uma das comunidades do município.

Os suspeitos foram levados para o Presídio de Bangu 8, na zona oeste do Rio, e devem responder pelos crimes de formação de quadrilha, tráfico de drogas, corrupção ativa e passiva e extorsão mediante sequestro. Após a operação ter sido deflagrada, o comandante do batalhão, tenente-coronel Claudio Lucas Lima, foi substituído por Maurício Faria da Silva.

Em entrevista ao G1, o comandante geral da PM disse que "o PM tem que ter a certeza que acabou a corrupção"."Nós não vamos mais aceitar sermos humilhados por desvio de conduta praticados por alguns policiais. Temos um prazo de 15 dias e no máximo 30 para que eles deixem de ser policiais militares. O comandante do batalhão de Duque de Caxias já foi substituído pelo coronel Maurício", completou o coronel Erir Ribeiro.

*Com informações da Agência Brasil