Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / O Livro do Bebê

Sociedade

Crônica

O Livro do Bebê

por Alberto Villas publicado 06/05/2016 03h56
O primeiro ano de Albertinho registrado passo a passo
Alberto Villas
Livro do Bebê Alberto Villas

Registro do primeiro ano de vida de Albertinho

De tempos em tempos, abro um enorme baú azul marinho que tem na minha casa, enigmaticamente numerado TGHU8965327. Veio assim da fábrica.

É lá dentro que guardo minha vida. Todas as matérias que publiquei, bilhetes de chefes e subordinados, espelhos de telejornais, contratos de editoras, rascunhos de livros, tem um pouco de tudo.

Além disso, guardo meus livros de poemas da era do mimeógrafo, uma colher de prata da Panair, uma tesoura do Ministério da Agricultura, onde trabalhei na juventude, e um calendário do ano 2000, que guardei não sei porque.

Semana passada, fui até o fundo do baú e lá, bem no fundo, encontrei O Livro do Bebê, onde minha mãe registrou meus primeiros dias de vida.

Sentei no chão e comecei a ler. Nem eu mesmo me conhecia direito. Com uma letra caprichada, apesar de todos os afazeres que tinha, ela registrou:

O BANHO

O primeiro banho em Albertinho foi dado por sua mãe no dia 11 de agosto de 1950. Nesta época, o bebê só pode tomar banho depois da primeira semana. Receita dos médicos de Belo Horizonte.

AS PRIMEIRAS VISITAS

Lilita, Marco Aurélio, vovó Zizinha, Tia Liria, tia Luizinha, Nicinha, Dona Catarina, Alzira e suas filhas.

O BATISMO

Albertinho foi batizado na Igreja de São José no dia 13 de setembro de 1950, na freguesia de Belo Horizonte. Recebeu o nome de Alberto Villas Bouçada Junior, tendo por padrinhos Afonso Villas Bouçada e Celinha de Carvalho Villas.

OS PRIMEIROS PRESENTES

Uma toalha de banho de sua vó Zizinha, um estojo Johnson do Senhor Zico de São Paulo, uma lata de talco de sua tia Lilita, uma saboneteira de sua criada Julieta, um babador de Oswaldo Menezes, uma blusa olímpica de Dona Julia, um cordão de ouro de sua madrinha Catarina, 50 cruzeiros do seu avô Manoel, um carro berço muito bonito do seu padrinho Afonso, uma botinha de Dona Ana, uma calça plástica de sua mãe e um peniquinho do seu avô.

O PRIMEIRO SORRISO

Albertinho sorriu pela primeira vez no dia 4 de agosto de 1950. Foi assim: Julieta Ferreira e sua mãe olhavam para ele quando deu o primeiro sorriso e assim continuou com todos que brincavam com ele. Albertinho é muito alegre.

O PRIMEIRO DENTINHO

O primeiro dentinho de Alberto Junior foi descoberto por sua mãe no dia 22 de março de 1951. Neste dia, seus pais estavam fazendo doces para comemorar seus aniversários e viram quando Albertinho sorriu e apareceu o primeiro dentinho. No dia 28, apareceu o segundo, visto por seu pai. O terceiro apareceu no dia primeiro de junho.

AS DOENÇAS

Alberto Villas Junior consultou pela primeira vez com o Doutor Navantino Alves no quarto dia depois que nasceu, pois não havia o que fizesse ele parar de chorar. Estava começando uma gangrena no umbigo. Tomou 500 mil unidades de penicilina e graças a Deus ficou bom. Consultou pela segunda vez no dia 29 de outubro porque estava com uma forte dor de ouvido. Tomou 800 mil unidades de penicilina. Ficou bom, mas não pode apanhar vento que chora. No dia 15 de abril de 1951, Albertinho amanheceu com muita febre. Como o Doutor Navantino não estava, os pais resolveram dar 300 mil unidades de penicilina e, graças a Deus, ele ficou bom.

A PRIMEIRA PALAVRA

A primeira palavra que Albertinho disse foi vovó, no dia 18 de março de 1951. Ouviu-a seu pai, sua mãe, Ângela, Paulo e seu avô. Todos pediram para ele repetir e ele ficou falando vovó, vovó, vovó. No dia 14 de abril ele falou tatá e bateu palmas. Com um ano e três meses, Albertinho fala tudo: Pai, não, Pauinho, mãe, mamão, mananá, rádio, biscoito, água, retrato e jaca.

O PRIMEIRO SAPATINHO

Albertinho calçou o primeiro sapatinho no dia 19 de novembro de 1950. Foi comprado pelo seu avô Manoel na Infantil e custou 17 cruzeiros. É branco. O segundo também foi presente de seu avô. Ele comprou no Sobrado dos Calçados e custou 30 cruzeiros. O terceiro, era do tipo americano e foi comprado por seu pai. Custou cem cruzeiros.

A PRIMEIRA PAPINHA

Albertinho comeu a primeira papinha no dia 14 de janeiro de 1951. Deu-lhe sua mãe e sua criada Aparecida. A papinha foi feita por seu pai da seguinte maneira: Cozimento de carne na manteiga, batata inglesa, cenoura vermelha, cenoura amarela, chuchu e batata doce. Seu pai passou tudo na peneira e colocou na mamadeira. Albertinho gostou.

OS AMIGUINHOS

Albertinho brincou, em sua infância, com os seguintes amiguinhos: Cláudio, Nilo, Ângela, Paulinho, Mery, Walter Luiz, Tatinha, Pedro, Zuleika e Carlinhos.

OS PRIMEIROS PASSOS

Alberto Filho deu os primeiros passos no dia 13 de setembro de 1951. O seu tio Neném Fontes estava na copa, chamou e ele saiu andando. Deu três passos. Albertinho pisa muito torto e teve de usar botinha americana. Ai caminhou direitinho.

 

registrado em: